DICAS – PROGRAMA HORA DO PESCADOR

*Dica 563 – Surgiu no mercado mais uma marca de íscas artificiais, a SUN FISHING LURES, que vem com grandes opções nestes lançamentos junto ao mercado e entre estas opções, temos a destacar a Cardume que é uma revolução junto aos pescadores, sucesso total, mas além destes outros modelos que vão fazer você fisgar os tão sonhados Tucunarés, Traíras, Dourados, Cachorras, etc.

*Dica 562 – Outra dica boa, para pesca do Dourado é a pesca na galhada, observe quando estiver em rios que tenha o Dourado, se tem galhada, paus ou mesmo moitas que façam que a água forme corredeiras mesmo que pequenas, arremesse sua isca com tuviras ou mesmo iscas artificiais acima da galhada e abaixo já na corredeira, assim trabalhando acima e abaixo do obstáculo, você terá mais uma grande chance de fisgar o seu dourado.

* Dica 561 – Por falar na Família dos Redondos, o sistema de pesca destes peixes, consiste em arremessos com bóias cevaderias contendo rações, normalmente dos próprios pesqueiros, pois os peixes estão acostumados. Utilizar com chicotes de 1 metro ou mais, com anteninhas, ou chicotes contendo rações P40 as maiores ou as normais na pinga, outras boas opções que o seu pesqueiro preferido, vai lhe ajudar na orientação.

* Dica 560 – Na pesca dos Tambaquis, Tambacus e Pacus, uma das grandes opções de sua pesca, são as anteninhas, portanto não deixe de levar em suas tralhas, diversas opções de cores, imitando as rações a tão conhecida Sorocabinha e a Bola de Futebol. São fatais, não deixe de tê-las, você vai encontrar em Lojas de Pesca.

* Dica 559 – O bom momento para pesca do Robalo é quando a maré esta acima 1.00 e começa a descer aí nessa corredeira de rio é o grande momento, portanto aí teremos mais de 1 hora de boa pescaria. Assim sendo procure estar nesta hora posicionado em um bom ponto de pesca, para aproveitar o momento.

* Dica 558 – Alguns pesqueiros de Robalos em canais de água salobra, ficam escondidos pela maré alta. Uma boa dica é percorrer o canal com a maré baixa visando identificar bons pontos de pesca.

* Dica 557 – Um bom sistema de pesca no mar é rodar com o barco ao sabor da correnteza. Pode-se tentar a pesca com bóia e de meia água para captura de Espadas, Bicudas, Cações e Prejerebas.

* Dica 556 – Evite fazer nós e emendas na linha de pesca, pois ela terá sua resistência comprometida nesses pontos. Pelo mesmo motivo descarte as partes da linha que se apresentarem raladas.

* Dica 555 – Acrescente em sua caixa de pesca uma pequena lima para afiar os anzóis maiores. Esses anzóis são destinados a peixes grandes, que em geral possuem a boca muito dura, por isso um anzol de ponta bem afiada é necessário.

* Dica 554 – Saídas de corixos, igarapés e desembocaduras de rios são excelentes pesqueiros para diversas espécies de peixes. Os peixes maiores costumam ficar nesse ponto a espera de alimentos que são trazidos para o rio principal.

* Dica 553 – Um dos fatores mais importantes na pesca em rios, represas e lagos é o silêncio. Procure se aproximar do pesqueiro fazendo o mínimo de barulho possível.

* Dica 552 – Na pesca de costão uma das melhores iscas que existe é o Amborê, um pequeno peixe que vive entre as pedras. Para capturá-lo utilize equipamento light com pedaços de camarão e um chumbo bem leve.

* Dica 551 – O molinete e a carretilha não foram feitos para rebocar o peixe. Tenha sempre a fricção desses equipamentos bem regulados, evitando a perca do exemplar.

* Dica 550 – Procure aproveitar os melhores horários do dia para realizar suas pescarias. Em geral o amanhecer e o entardecer costumam se apresentar como os períodos mais produtivos.

* Dica 549 – Betara, Perna de Moça ou Papa Terra é o nome de uma espécie de pescada muito comum em nosso litoral. Em Janeiro e Fevereiro são meses muito bons para a captura desse peixe em nosso litoral.

* Dica 548 – Se você não tem o hábito de usar boné em suas pescarias, essa peça é importante para proteger o rosto e os olhos do pescador, bem como de uma isca artificial que venha na sua direção.

* Dica 547 – Não economize em anzóis, pescar com anzóis tortos, enferrujados ou com qualquer outro defeito pode lhe custar a perda de um bom exemplar.

* Dica 546 – Na pesca de praia o melhor chumbo é o tipo pirâmide. Ele assenta bem no fundo de areia e seu formato impede que ele se desloque em função da movimentação da maré.

* Dica 545 – Para evitar que a bóia usada na pesca da Carpa Cabeçuda se desloque na água pela ação do vento, o pescador deve usar um chumbo solto na linha antes da bóia, com peso suficiente para mantê-la parada no lugar.

* Dica 544 – Ao recolher a isca artificial, o pescador deve procurar manter a vara de lado, com a ponta para baixo e linha esticada. Desse modo, o pescador terá condições de ferrar o peixe com mais firmeza.

* Dica 543 – Quando se pesca embarcado é muito importante o equilíbrio do conjunto motor e barco. Um motor muito potente instalado em um barco leve poderá deixá-lo difícil de ser controlado.

* Dica 542 – As linhas de pesca devem ser trocadas sempre que se apresentarem raladas, marcadas ou ressecadas. Muita gente já perdeu bons peixes devido às linhas estarem com a resistência comprometida.

* Dica 541 – Ao pescar com linhas finas e varas de categoria leve, evite dar fisgadas muito fortes para não correr o risco de partir a linha ou quebrar a vara.

* Dica 540 – Acostume-se a armazenar e transportar suas varas de pesca em embalagens rígidas e resistentes. A maioria das quebras de varas acontece durante o seu transporte ou armazenamento.

* Dica 539 – Substitua o samburá e geladeira de peixes por uma máquina fotográfica. Com ela você poderá guardar para sempre todos os peixes capturados e as imagens do local.

* Dica 538 – A movimentação da maré é um fator fundamental na pesca do Robalo. A melhor hora para tentar sua pesca é na vazante, quando as águas estão correndo.

* Dica 537 – As guelras dos peixes são órgãos responsáveis pôr sua respiração. Caso sua intenção é praticar o pesque e solte, evite tocá-las ou deixar o peixe muito tempo fora da água.

* Dica 536 – A opção por utilizar carretilha ou molinete vai depender muito da preferência pessoal de cada pescador. Em algumas situações o molinete é de fundamental importância e a carretilha onde o pescador irá obter maior equilíbrio para arremessos.

* Dica 535 – Quando não houver uma medida mínima de embarque para a espécie de peixe que estamos capturando, o pescador deve usar o bom senso e soltar todos aqueles peixes que considerar pequenos. De preferência liberar todos, para manter as espécies em nossos rios e represas.

* Dica 534 – Na pesca do Tucunaré, o motor elétrico irá nos levar até o provável pesqueiro de maneira silenciosa para não espantar os peixes que lá se encontram, além de manobrar o barco em silêncio quando do peixe fisgado.

* Dica 533 – Nenhum setor da pesca cresceu tanto nos últimos anos como os pesqueiros. Para aqueles que ainda têm algum tipo de preconceito em relação a esses estabelecimentos, isso prova que eles são uma excelente opção para quem busca o divertimento e a emoção que a pesca pode proporcionar.

* Dica 532 – Para uma boa conservação das varas de pesca, devemos lavar os passadores e as partes metálicas após as pescarias realizadas e só guardá-las quando estiverem bem secas, sem nenhum sinal de umidade.

* Dica 531 – A qualidade da gasolina é um dos itens mais importantes para o bom funcionamento e durabilidade do motor de popa. Procure sempre utilizar gasolina aditivada e não caia na tentação de aproveitar combustível que sobrou no tanque da última pescaria.

* Dica 530 – O tamanho do anzol deve ser proporcional ao tamanho do peixe que esperamos capturar. Na dúvida faça a opção por aquele de menor tamanho, pois servirá tanto para o peixe pequeno como para o grande.

* Dica 529 – A paciência é uma qualidade que todo bom pescador deve ter. O prêmio para quem conseguir desenvolver esse atributo virá na forma de um belo exemplar capturado.

* Dica 528 – A pesca do Dourado no sistema de rodada deve ser feita preferencialmente em locais de corredeiras e de fundo de pedras. São nesses pontos do rio que teremos maiores chances.

* Dica 527 – O Aruanã é um peixe da família do Pirarucu, podendo chegar até 05 (cinco) quilos e quase um metro de comprimento. Um dos melhores rios para se tentar a sua pesca é o Araguaia.

* Dica 526 – O Estado de São Paulo oferece boas opções para a pesca do Tucunaré, especialmente na divisa com Minas Gerais. Os melhores “points” são em Ilha Solteira, Pereira Barreto, Sacramento e Porto Colômbia.

* Dica 525 – Os grubs são iscas feitas de material plástico imitando minhocas, camarões, sapos e outros insetos ou crustáceos. Em geral são iscas para serem trabalhadas no fundo e podem trazer excelentes resultados para determinadas espécies de peixe, como o Black Bass.

* Dica 524 – O maior atrativo para os peixes nas colheres de metal é o seu brilho. Antes de utilizar estas iscas, procure limpá-las, fazendo com que adquiram um brilho intenso.

* Dica 523 – Para o iniciante na pesca com iscas artificiais, as mais indicadas são os plugs, iscas que imitam pequenos peixinhos. Quando recolhidas, cada uma delas tem seu movimento característico, dispensando um trabalho maior de vara.

* Dica 522 – A pesca de arremessos com iscas artificiais é sem dúvida uma das modalidades que mais emoção pode proporcionar ao pescador. O grande segredo para o sucesso é treinar bastante.

* Dica 521 – Verifique a validade da sua licença de pesca. Ao ser abordado pela fiscalização, você poderá levar multa caso esteja vencida, além de ter a tralha apreendida.

* Dica 520 – Uma pescaria não se resume apenas aos peixes. Procure aproveitar a natureza, os animais e amigos, pois este esporte poderá lhe proporcionar estes momentos de descontração.

* Dica 519 – Quando se pesca peixes com dentes cortantes, não se pode dispensar o uso de encastoados de aço no anzol e na isca artificial.

* Dica 518 – A pesca de rodada usando a Tuvira viva como isca, deve-se passar o anzol pela boca dela saindo do lado da guelra e espetar a ponta dele nas costas da isca sem atravessá-la. Desse modo a ponta do anzol ficará escondida, evitando enroscos.

* Dica 517 – Na pesca do Dourado, quando as Piranhas estiverem atacando com muita vontade, a saída é mudar para a isca artificial. Os plugs de barbela para meia água são os mais recomendados.

* Dica 516 – Existe uma variada gama de materiais e equipamentos de pesca. A escolha bem feita do equipamento a ser utilizado é meio caminho andado em direção ao sucesso.

* Dica 515 – A Corvina de água doce é uma ótima opção de pesca no Rio Grande, divisa de São Paulo com Minas Gerais.

* Dica 514 – O enjôo é um dos maiores problemas da pesca em mar aberto. Evite ficar de cabeça baixa, olhando para o chão do barco, quando ele estiver parado. Essa posição favorece o enjôo.

* Dica 514 – Ao iscar uma isca natural no anzol, procure certificar que suas mãos estão limpas e sem nenhum cheiro estranho. Odores como gasolina, cigarro e de bronzeadores passam para a isca, diminuindo sua atração ao peixe.

* Dica 513 – Nos pesqueiros existem várias opções de pesca, sendo aconselhável levar uma boa variedade de iscas. O pescador não pode ficar limitado apenas em algumas opções.

* Dica 512 – Quando os peixes estão sendo fisgados com facilidade, procure entender qual o motivo. Nessa hora descobrimos um fator qualquer que possa nos beneficiar em futuras pescarias.

* Dica 511 – Um chumbo muito pesado pode atrapalhar a sensibilidade do pescador ao toque do peixe na isca. O peso do chumbo deve ser apenas suficiente para levar a isca até o fundo.

* Dica 510 – Os alicates de corte e todos esses instrumentos, podem ser usados para cortar a linha de pesca. Não há motivo para cortar a linha com os dentes.

* Dica 509 – O popper é uma excelente isca para atrair o peixe. O barulho que ela faz na superfície da água quando trabalhada incita o peixe ao ataque.

* Dica 508 – Quando o sol estiver muito forte, além do uso de protetor solar é aconselhável ter em mãos um bastão de manteiga de cacau. Isso porque o excesso de sol pode provocar rachaduras nos lábios.

* Dica 507 – A pesca da Anchova é altamente esportiva. O modo mais emocionante de praticá-la é de arremessos com isca artificial junto às pedras e parcéis.

* Dica 506 – O Tucunaré é um peixe muito arisco e o silêncio torna-se fundamental na sua pesca. O motor elétrico é um equipamento indispensável, podendo chegar ao ponto de pesca com absoluto silencio.

* Dica 505 – A pressão atmosférica tem muita influência no resultado da pescaria. Em dias de pressão elevada, os peixes ficam mais ativos e a pesca mais produtiva.

* Dica 504 – A gasolina misturada com óleo, usada nos motores de popa não deve ficar guardada por muito tempo, pois ela vai perdendo o seu poder de explosão.

* Dica 503 – Enquanto o pescador estiver esperando a puxada do peixe, é importante deixar a linha esticada, sem formar “barriga”. Isso porque com linha esticada a sensibilidade é bem maior ao toque do peixe, favorecendo a fisgada no momento certo.

* Dica 502 – Na pesca com a minhoca artificial, precisamos usar anzol e chumbo especiais para essa isca, principalmente quando se trata do Black-Bass.

* Dica 501 – Nunca defina a escolha de um equipamento de pesca pelo aspecto da beleza, geralmente os produtos esportivos são mesmo bonitos. Peça orientação ao vendedor sobe qual dos produtos é mais indicado para o uso que pretende fazer dele.

* Dica 500 – Todas as iscas artificiais é preciso que o pescador de vida através de um trabalho correto. Sem esse trabalho a isca não será capaz de atrair o peixe.

* Dica 499 – Quando encontrar um objeto estranho na água, como latas e sacos plásticos, recolha e leve com você para colocar em seu devido lugar.

* Dica 498 – Cada barco exige um motor adequado ao seu porte. Verifique qual a recomendação do fabricante antes de instalar ou comprar o motor para que o conjunto fique equilibrado.

* Dica 497 – O Lambari apesar de pequeno, é um peixe arisco e difícil de ser capturado, tornando a sua pesca uma opção divertida e gratificante. Como isca utilize a minhoca, arroz cozido, macarrãozinho, siriri, capotinho e bicho da laranja.

* Dica 496 – Tocar no peixe com as mãos secas, fatalmente irá retirar o limo protetor que recobre sobre a sua pele, favorecendo o aparecimento de infecções que podem levá-lo a morte.

* Dica 495 – Apesar do Pintado, Cachara e Jaú não terem dentes cortantes é necessário o uso de encastoado para sua pesca. Isso porque o peixe ao “correr” com a isca na boca, a linha pode raspar em suas costas e se partir.

* Dica 494 – Quando for comprar um molinete, procure modelos que ofereçam um carretel extra. Você pode encher os carretéis com linhas de espessuras diferentes de trocá-los rapidamente quando necessário.

* Dica 493 – A pesca com tarrafas, redes, anzóis de galho e espinheis é uma covardia pratique a pesca esportiva. Se você faz isso ou conhece alguém que faça, está na hora de deixar de lado.

* Dica 491 – A isca artificial não serve para a captura de qualquer espécie de peixe, apenas os predadores. Se informe dos hábitos e comportamentos das espécies que queira capturar.

* Dica 490 – As marés de maior amplitude provocam correntezas mais intensas, situação ideal para a pesca do Robalo. Normalmente isso acontece nas luas cheias e novas.

* Dica 489 – Na pesca da Garoupa o principal é puxar o peixe no momento exato em que é ferrado, evitando assim que ele nade para sua toca.

* Dica 488 – Quando estiver pescando em praias, costões ou canais, verifique os horários das marés e analise o comportamento dos peixes durante a pescaria. Você poderá descobrir fatos importantes que poderão ser úteis no futuro.

* Dica 487 – Polometa ou Palometa, é uma espécie de Piranha da região sul do país, especialmente do Rio Grande do Sul. Assim como em outras regiões, não é um peixe desejado pelo pescador, mas pode trazer boas emoções.

* Dica 486 – A cada peixe de bom tamanho capturado é aconselhável que o pescador dê uma conferida na linha para ver se não há pedaços raspados.

* Dica 485 – Os casqueiros ou sambaquis são depósitos naturais de conchas que se formam na costa, lagoas ou rios. São ótimos pesqueiros devido à abundância de alimentos para os peixes em geral.

* Dica 484 – Ao se preparar para embarcar o peixe, não deixe a linha muito curta, pois isso diminuirá consideravelmente a capacidade da vara absorver esforços bruscos do peixe, o que poderá ocasionar a ruptura da linha.

* Dica 483 – As iscas com barulho, tipo “zaras”, são extremamente irritantes para os peixes, provocando o ataque. O barulho dessas iscas é feito por pequenas esferas metálicas em seu interior.

* Dica 482 – O peixe possui uma camada de muco que protege sua pele contra bactérias e fungos. Evite manuseá-lo para não remover essa camada protetora.

* Dica 481 – A mata ciliar recebe este nome, pois ela envolve e protege a mata dos rios, igualmente aos cílios para nossos olhos. Por isso é muito importante a sua preservação.

* Dica 480 – Para a pesca das Traíras, use iscas de superfície e meia água, de preferência os spinners. Arremesse a isca próximo às margens cobertas de vegetação, perto de troncos, galhadas e pedras.

* Dica 479 – Para comandar uma embarcação é necessário que o condutor seja habilitado. No caso dos pescadores, o nível de Arrais Amador pode lhe permitir a navegação em rios e mares, dentro do limite das águas abrigadas.

* Dica 478 – A teoria sem a prática não adianta nada. Por isso o pescador além de ler bastante sobre pesca, deve tentar colocar em prática tudo o que aprendeu. A regra é pescar sempre.

* Dica 477 – A Truta é um peixe de regiões frias, ficando limitado aos estados do sul de nosso país. Neste inverno, se você quiser tentar a sua pesca, uma boa opção são os pesqueiros da região.

* Dica 476 – Nunca vá pescar sem antes organizar seu material de pesca. Se houver alguma falta, ainda haverá tempo para resolver o problema.

* Dica 475 – Os pesqueiros são boas opções de lazer, não só para o pescador, mas também para toda sua família. Não tem nada melhor do que pescar na companhia da esposa e dos filhos.

* Dica 474 – O popper é uma excelente isca para provocar o peixe. O barulho que faz na água quando trabalhada, chama a atenção do peixe predador e o incita ao ataque.

* Dica 473 – Os peixes menores capturados com equipamento leve, podem trazer tanta emoção ao pescador como um peixe grande.

* Dica 472 – Nunca vá pescar em locais distantes sem antes se informar das condições do tempo e da água no local e para onde vai. Um simples telefonema pode evitar uma grande frustração.

* Dica 471 – Nas pescarias no Pantanal use os seguintes anzóis: 7/0 para Pintados e Dourados, 5/0 para Pacu e 8/0 em diante para o grande Jaú.

* Dica 470 – A Sororoca é um peixe de água salgada e parente próximo da Cavala. Para sua pesca utilize Sardinha fresca, mantendo a profundidade de meia água.

* Dica 469 – Praticar o pesque e solte é basicamente uma questão de hábito. Depois que você se acostuma, sente o prazer quando captura o peixe e quando o libera também.

* Dica 468 – Quando se pesca de barranco é muito importante um calçado de boa qualidade. Botas impermeáveis são as mais indicadas e de preferência de cano alto para proteger contra pontas de madeira, pedras e picadas de cobras

* Dica 467 – Anote a temperatura, altura da maré, condições do tempo, pressão atmosférica e hora de ataque dos peixes. Essas informações podem ser úteis nas próximas pescarias.

* Dica 466 – Geralmente os melhores horários para pesca são ao amanhecer e ao entardecer, seja no mar ou água doce. Saia bem cedo para aproveitar melhor sua pescaria.

* Dica 465 – As marés mortas, de menor correnteza, são as mais indicadas para a pesca da Garoupa, pois se consegue melhor rendimento na luta para evitar que ela entoque.

* Dica 464 – Um fator fundamental para o sucesso na pesca de corrico é a velocidade da embarcação. Em alguns casos, ela deve ser tão lenta que o deslocamento do barco não é muito maior que a força da correnteza.

* Dica 463 – Na pesca de corrico com duas ou mais pessoas, o aconselhável deixar as iscas com distâncias diferentes. Desse modo, evitará o enrosco e rapidamente será observada qual a melhor distância para ser utilizada.

* Dica 462 – Ao fisgar um peixe de bom porte, mantenha a tranqüilidade. Trabalhe com calma e curta as emoções que ele pode lhe proporcionar. Afinal, é isso que se espera de uma pescaria.

* Dica 461 – Mesmo que a pescaria tenha sido fraca ou improdutiva, não fique chateado. Lembre-se que antes de tudo o objetivo de qualquer esporte é proporcionar diversão, relaxamento e prazer. O peixe é só uma consequência.

* Dica 460 – Na pesca do Tucunaré, procure encontrar locais cheio de árvores secas, parcialmente cobertas pela água, lembrando um “paliteiro”. Aproxime-se lentamente e arremesse sua isca.

* Dica 459 – Pescar com uma tralha leve é sinônimo de emoção. Se informe sobre a força e tamanho dos peixes onde vai pescar e dimensione seu material para o mais leve possível. Suas emoções serão dobradas.

* Dica 458 – O verdadeiro pescador não deixa marcas de sua passagem pelos rios e mares onde esteve. Preserve a natureza e o meio ambiente.

* Dica 457 – A Cachorra pode não ser um bom peixe de mesa, devido a grande quantidade de espinhos que possuí, mas é altamente esportiva. Para sua captura as melhores iscas são os plugs de superfície e meia água.

* Dica 456 – Sempre que você puder escolher entre uma isca de meia água e uma de superfície, prefira esta última. Não por serem mais produtivas, mas proporcionam ataques espetaculares do peixe.

* Dica 455 – Um problema comum que pode ocorrer com o pescador, principalmente se for crianças, é a insolação. Sempre use um chapéu ou boné, roupas leves e tome bastante água.

* Dica 454 – A pesca é um esporte e sua principal finalidade deve ser a diversão e o lazer ao praticante. Sair por aí capturando a maior quantidade de peixes possível, independente da espécie e tamanho faz com que a pesca se torne uma atividade predatória e sem sentido.

* Dica 453 – Se você for pescar com o chumbo solto na linha, utilize um girador para que ele pare antes de chegar ao anzol. A distância pode variar de 30 cm a 1 metro.

* Dica 452 – Quando estiver pescando de fundo, procure movimentar a isca dando pequenos toques de ponta de vara. Desse modo a isca se movimentará chamando a atenção dos peixes.

* Dica 451 – Para a pesca de peixes manhosos, conhecidos como ladrões de isca, procure trabalhar com um equipamento bastante sensível, uma vara de ponta fina e flexível.

* Dica 450 – O alicate de bico é um instrumento muito útil ao pescador. Muito funcional para tirar o anzol da boca de um peixe com dentes afiados, trocar a garatéia de uma isca artificial e amassar a farpa de anzóis.

* Dica 449 – Uma boa opção para a pesca de costão é o Sargo, tanto o de dente como o de beiço. Utilize o marisco, caranguejo, baratinha do mar, saguaritá ou mesmo camarão morto.

* Dica 448 – Quando seu companheiro capturar um bom peixe, recolha rápido a sua linha e fique atento para ajudá-lo no que for necessário.

* Dica 447 – O Amborê é um pequeno peixe muito comum em costões rochosos. Ele é uma excelente isca para os peixes do local. Para capturá-lo utilize material light e anzol tipo mosquito, iscado com camarão.

* Dica 446 – O principal fator para o sucesso na pesca com iscas artificiais é o arremesso. Pratique bastante estes arremessos, tanto em distância como em precisão. Quando você conseguir colocar a isca onde quiser capturará peixes com facilidade.

* Dica 445 – Em dias de chuva, as águas de rios, canais e represas ficam sujas e barrentas, dificultando a captura da maioria dos peixes. Em dias assim volte sua atenção para Bagres e Mandis, peixes que gostam da água nessas condições.

* Dica 444 – Para pesca de peixes de água salgada, seja em praias, canais, costões ou alto mar, os melhores dias são aqueles em que a água esteja mexendo um pouco. Isso por que há maior movimentação de alimentos para os peixes e eles ficam mais ativos.

* Dica 443 – A Cachorra é uma espécie de peixe da Bacia Amazônica e do Prata. Proporciona excelentes brigas e belos saltos fora da água, mas sua carne não é muito apreciada devido a grande quantidade de espinhos.

* Dica 442 – Pescar com anzol de farpa amassada é recomendável para quem pretende soltar o peixe. O anzol sem farpa sai mais fácil da boca do peixe e em caso de acidente não provoca tanta dor e estrago no local do ferimento.

* Dica 441 – Nas carretilhas o freio de arremesso deve ser regulado em função do peso da isca. Sempre que mudar de isca faça uma nova regulagem do freio de arremessos.

* Dica 440 – A pesca da Espada pode ser feita durante o ano todo. Utilize a sardinha como isca, colocadas inteiras ou pela metade. Uma bóia é outro material normalmente utilizado nessa pescaria.

* Dica 439 – Sacos, garrafas plásticas, vidro, latas de cerveja e refrigerante, isopor e até mesmo linhas de pesca, não se decompõem na água, levando muitos anos para desaparecerem.

* Dica 438 – Usar o colete salva-vidas é uma questão de segurança e obrigatório para quem pesca embarcado. Não deixe de usá-lo, principalmente quando o barco estiver em movimento.

* Dica 437 – Prefira utilizar bóias com chumbo quando a pescaria exigir arremessos de longa distância. Esse tipo de bóia é o mais indicado para essa finalidade.

* Dica 436 – A Tilápia é um peixe manhoso, por isso o pescador deve ir trocando o tipo de isca, até descobrir qual apresenta melhor resultado no dia.

* Dica 435 – Evite lavar as iscas de camarão e sardinha com água da torneira. Essa água contém cloro e outros produtos químicos que podem tornar a isca menos atraentes para os peixes.

* Dica 434 – Ao fazer um nó de pesca, lubrifique a linha fazendo com que o nó corra melhor, diminuindo o atrito, que pode comprometer a resistência da linha.

* Dica 433 – Um dos critérios para se avaliar o pesqueiro é a qualidade da água de seus lagos. Prefira freqüentar estabelecimentos que mantenham a água clara e limpa.

* Dica 432 – Para pesca de fundo no mar, pode-se trabalhar com um chicote que tenha mais de 01 (um) anzol e chumbo oliva na ponta, como se faz na pesca de praia.

* Dica 431 – Ao escolher o anzol que vai utilizar na sua pescaria, procure optar por um que seja proporcional ao porte do peixe. Há espécies como a Piapara e a Tainha, que tem a boca pequena em relação ao seu tamanho.

* Dica 430 – Nunca coloque um chumbo junto com uma isca artificial, mesmo que seja para facilitar o arremesso. O chumbo vai prejudicar a movimentação e trabalho da isca, reduzindo as chances de ataque dos peixes.

* Dica 429 – Anzóis, giradores e snaps, são materiais de preço relativamente baixo e muito útil. Mantenha na sua caixa de pesca uma boa quantidade e variedade deles.

* Dica 428 – O segredo de uma pescaria emocionante é trabalhar com um conjunto de vara, carretilha ou molinete e linhas leves. Desse modo qualquer peixe, independente do seu tamanho, pode proporcionar momentos de pura emoção.

* Dica 427 – A goiaba vermelha é uma boa isca para a pesca do Pacu nos pesqueiros. Corte a fruta ao meio ou em quatro pedaços, dependendo do tamanho da goiaba, e isque no anzol.

* Dica 426 – Uma boa maneira de capturar o Dourado no Pantanal é utilizar iscas artificiais. Nesse caso trabalhe com uma isca de barbela para meia água com cerca de 16 cm de comprimento.

* Dica 425 – O litoral do Rio de Janeiro e a região de Ilha Bela são ótimos locais para pesca da Lula, que pode ser tentada durante o ano inteiro. Caso tenha oportunidade, experimente essa pescaria e veja como ela é produtiva e divertida.

* Dica 424 – As iscas artificiais é uma boa opção de pesca, inclusive em pesque e pagues. Com elas podem-se capturar Traíras, Piraputangas, Matrinxãs, Trutas e Tilápias.

* Dica 423 – O camarão vivo é a melhor isca para captura do Robalo, mas na falta dele pode-se experimentar o Pitu, que é o camarão de água doce com bons resultados.

* Dica 422 – A rodada é uma modalidade de pesca para ser praticada sempre que possível. Com ela percorremos uma boa área do rio e a isca não fica parada, sendo levada até onde o peixe se encontra.

* Dica 421 – Para a pesca de peixes de boca mole, prefira trabalhar com varas de ação lenta, pois as fisgadas serão mais suaves e os riscos de rasgar a boca dos peixes são menores.

* Dica 420 – Muito peixe tem boca pequena em relação ao tamanho do seu corpo, o que nos obriga a utilizar anzóis pequenos. Nesses casos tome cuidado com a regulagem do equipamento, podendo não estar adequada para a resistência do anzol, que pode se abrir durante a briga.

* Dica 419 – Substitua sua geladeira por uma máquina fotográfica. Nela você pode armazenar uma quantidade infinita de peixes, levá-los para onde quiser e mostrá-los a quem duvidar de sua capacidade como pescador. Os grandes pescadores são aqueles que demonstram respeito pelo meio ambiente e suas espécies.

* Dica 418 – Quanto mais leve a tralha, maior a emoção na luta com o peixe. Ao optar por um conjunto para pesca, procure sempre escolher o mais leve entre todos possíveis, caso procure a esportividade.

* Dica 417 – Na pesca embarcada em água salgada é difícil se prever qual espécie vai sair mais no dia. É aconselhável que o pescador entre no mar preparado para qualquer peixe, tanto do ponto de vista da tralha como das iscas.

* Dica 416 – Em qualquer pescaria a segurança vem em primeiro lugar. Evite locais acidentados e situações que possam oferecer perigo para você ou para o grupo. Lembre-se que a pesca é um esporte e como tal tem a finalidade de divertir e relaxar o seu praticante.

* Dica 415 – Uma boa dica quando se pesca com dois ou mais anzóis num mesmo chicote é colocar iscas diferentes em cada um deles. Desse modo, podemos descobrir qual isca está dando melhores resultados no dia.

* Dica 414 – Na pesca de praia, depois de algum tempo com a linha na água é comum a chumbada se enterrar na areia, devido ao movimento das ondas e das próprias características do lugar, dificultando para o pescador sentir a beliscada do peixe. O pescador deverá movimentar a isca a cada tempo, evitando esta situação.

* Dica 413 – Praticamente, todos os peixes predadores podem ser capturados com iscas artificiais. Antes de optar por uma isca, procure saber qual o alimento preferido da espécie e faça a opção por uma isca que se pareça com esse alimento.

* Dica 412 – Os parcéis, estruturas de pedras que afloram à superfície do mar, são ótimos pesqueiros. Neles pode-se tentar a pesca de corrico, de arremessos com iscas artificiais e a pesca de fundo, todas geralmente com bons resultados.

* Dica 411 – Quando for pescar de rodada em locais com fundo de pedra ou com muitas estruturas favoráveis a enroscos, procure trabalhar com um chumbo o mais leve possível.

* Dica 410 – O girador é um acessório indispensável em qualquer pescaria, mesmo naquelas de peixes pequenos como a Tilápia, Lambari e Saguirus, pois evita que a linha se torça.

* Dica 409 – A sucuri, juntamente com o jacaré e a capivara fazem parte da fauna típica do Pantanal e está ameaçada de extinção em algumas regiões. Essa cobra enorme, se não provocada, não oferece nenhum perigo ao homem, por isso vamos ajudar na sua preservação.

* Dica 408 – Ao pescar com iscas artificiais de fundo é sempre bom usar um líder de linha mais grossa. Isso por que a isca trabalha muito perto de estruturas como galhadas e pedras que podem cortar facilmente uma linha mais fina.

* Dica 407 – O Caranguejo também serve de isca para outros peixes, como o Piauçu e o Piau. Nesse caso é melhor partir a isca ao meio e optar por um anzol menor para facilitar a fisgada, já que a boca desses peixes é pequena.

* Dica 406 – O Caranguejo é uma boa opção para a pesca do Pacu quando o nível da água está baixo. Isso por que o peixe já não encontra frutos como o coquinho e o tucum com tanta facilidade e passa a procurar o seu alimento no fundo do rio.

* Dica 405 – Os aposentados estão dispensados de apresentar para a fiscalização a licença de pesca, mas devem comprovar a sua situação com a identificação do INSS e sua carteira de identidade.

* Dica 404 – A Garoupa pode ser capturada com iscas artificiais de fundo. As mais indicadas são os jigs, shads e grubs, bem como os plugs de barbela longa e spinner-baits.

* Dica 403 – A profundidade onde se fisga a maioria dos peixes varia de acordo com a camada termo-climal, que nada mais é do que uma faixa de água mais quente. Dependendo da temperatura do dia ela pode estar mais no fundo ou próxima da superfície.

* Dica 402 – Quando se pesca de fundo, a profundidade costuma variar de um dia para o outro. Memorize em que profundidade foi capturado o primeiro exemplar e passe a trabalhar a isca nessa profundidade.

* Dica 401 – No Pantanal a melhor época para a pesca, é quando as águas já estão saindo dos campos alagados durante a cheia.

* Dica 400 – Ao pescarmos Robalos com isca artificial, uma boa dica é trabalhar com a isca num mesmo local em horários diferentes, mesmo que nas tentativas anteriores não se tenha tido nenhuma ação. Geralmente costuma-se obter resultados positivos.

* Dica 399 – Sempre que cevamos um pesqueiro devemos usar como isca um dos mesmos ingredientes utilizados para a ceva. Iscas diferentes da ceva podem não trazer bons resultados.

* Dica 398 – Quando estamos pescando em rios, somos surpreendidos por camalotes trazidos pela correnteza e não temos tempo de recolher a linha para evitar um enrosco. A melhor saída é mergulhar a ponta da vara na água e esperar que o camalote passe sem enroscar na linha.

* Dica 397 – Em dias de chuva forte com raios e trovões, não busque abrigo nas árvores, pois elas podem atrair raios. Pelo mesmo motivo evite pescar nessas condições, sendo que as varas também podem atrair raios.

* Dica 396 – Sarnambi é um pequeno molusco muito comum em nossas praias. São aquelas conchinhas de cor acinzentada encontradas na faixa de areia onde terminam as ondas.

* Dica 395 – A Sernambiguara é o maior dos Pampos e seu nome tem origem tupi-guarani. A sua tradução é comedor de Sarnambis. O próprio significado do nome desse peixe já nos dá uma pista sobre qual a melhor isca para sua captura.

* Dica 394 – As Piaparas preferem o milho azedo. Deixe os grãos de molho em água por alguns dias, até que comecem exalar um forte cheiro característico.

* Dica 393 – O milho é uma ótima isca para a pesca da Tilápia. Pode-se usar o milho verde ou maduro (já endurecido), mas nesse caso ferva os grãos até que eles amoleçam.

* Dica 392 – Ao pescar com linhada de mão, atividade muito comum na pesca de mar embarcada, nunca enrole a linha diretamente nas mãos, pois na hora da briga com o peixe pode-se facilmente cortá-las.

* Dica 391 – O Jurupensen é uma espécie muito comum no Pantanal, como todo peixe de couro possui ferrões que podem provocar dolorosos ferimentos. Os ribeirinhos dizem que o veneno do ferrão desse peixe é igual ou pior que o da Arraia.

* Dica 390 – Evite manusear as iscas se sua mão estiver impregnada de algum cheiro estranho, como gasolina, diesel, cigarro, protetor solar e repelente de insetos. Esses cheiros podem passar para a isca dificultando o ataque do peixe.

* Dica 389 – A Tuvira é uma das melhores iscas para peixes de água doce. Como ela é bastante resistente, não é preciso muitos cuidados para mantê-la viva por alguns dias. Basta colocá-las num pequeno tanque ou lata e trocar a água ao menos uma vez por dia.

* Dica 388 – O Pantanal tem 140 mil km² de extensão, abrangendo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bolívia e Paraguai. Os melhores rios para pesca são: Paraguai, Miranda, Negrinho, São Lourenço, Piqueri e seus afluentes.

* Dica 387 – O Jaú é um dos maiores peixes de couro brasileiro e para sua pesca é preciso utilizar material pesado. As melhores iscas para sua captura são o minhocuçu, muçum e pedaços de outros peixes.

* Dica 386 – Um dos principais problemas para os pescadores nessa época de sol forte são as queimaduras. Não saia para pescar sem um bom protetor solar, no mínimo com fator 15 de proteção.

* Dica 385 – Sempre confira o estado da linha do carretel do molinete ou da carretilha. As partes raladas ou com dobras devem ser descartadas para evitar o seu rompimento.

* Dica 384 – Os Caranguejos são ótimas iscas, tanto em rios como no mar. Para iscá-los espete a ponta do anzol em um de seus olhos e passe o anzol pelo seu corpo de modo que a ponta volte a sair pelo outro olho.

* Dica 383 – Os molinetes e carretilhas devem ser compatíveis com a espessura de linha e a vara de pesca que se vai ser utilizada. Trabalhar com equipamentos balanceados é um dos segredos do sucesso na pesca.

* Dica 382 – A capa de chuva deve fazer parte da tralha do pescador em qualquer época do ano. Mesmo em épocas como o verão, estamos sujeitos a chuvas repentinas que podem estragar a nossa pescaria.

* Dica 381 – Utilize sempre linhas transparentes, pois as coloridas são mais visíveis para algumas espécies de peixes e podem comprometer o resultado da pescaria.

* Dica 380 – Existem muitas massas boas para pesqueiros, inclusive aquelas fornecidas pelo próprio local. Para dar uma incrementada nessas massas, você poderá esmagar uma paçoca de amendoim e misturar nelas, tornando muito atrativa para os Pacus.

* Dica 379 – Evite pescar em pedras próximas da água quando o mar estiver agitado, com tempo chuvoso, em locais que podem ser atingidos por ondas. Preocupe-se primeiro com sua segurança.

* Dica 378 – Ao pescar com iscas vivas, procure iscar o anzol numa região do corpo da isca onde não machuque muito e que também a deixe com certa liberdade de movimentos. Assim a isca irá sobreviver por mais tempo e seus movimentos poderão atrair a atenção do peixe.

* Dica 377 – A Bicuda é uma boa opção para pesca em mar aberto, pois como vivem em cardumes, proporcionam ótimas pescarias além de ter carne de excelente sabor. Procure esta espécie em parcéis e ilhas, tentando sua pesca com bóias ou iscas artificiais de superfície e meia água.

* Dica 376 – Tão importante como se aproximar do pesqueiro sem fazer barulho é não jogar a poita na água de qualquer jeito. Ela deve ser colocada sem barulho e ser baixada pela corda até que toque o fundo.

* Dica 375 – Nunca passe com o motor ligado pelo local que vai pescar. O ideal é se aproximar pela margem oposta e trazer o barco até o ponto com o auxílio do motor elétrico ou dos remos.

* Dica 374 – A Jurupoca é um peixe de couro muito bom de briga e a melhor isca para sua captura é o Lambari. Mas essa espécie está quase desaparecendo na maioria dos rios, por isso devemos liberar todos os exemplares fisgados.

* Dica 373 – Prefira roupas de algodão e de cores claras, pois elas refletem melhor a luz do sol. Roupas escuras esquentam demais por que elas absorvem toda luz solar.

* Dica 372 – Ainda sobre a água salgada e equipamentos de pesca. Se tiver tempo, use água quente e sabão neutro, mais indicado para a limpeza.

* Dica 371 – A água salgada é o principal inimigo dos equipamentos de pesca, por isso, sempre lave com água doce tudo que for de metal.

* Dica 370 – Os plugs são iscas artificiais que se assemelham a pequenos peixinhos. Eles podem ser de vários tipos, cores e tamanhos. Os mais usados são os de barbela, meia água e superfície.

* Dica 369 – Quando for pescar com um companheiro procure deixar os seus problemas em casa. Assim como você, ele está lá para se divertir e relaxar.

* Dica 368 – Chegará o dia em que o homem conhecerá o íntimo dos animais, nesse dia o crime contra qualquer animal vai ser considerado um crime contra a própria humanidade. (Leonardo da Vinci)

* Dica 367 – A pesca em barcos de alumínio é muito comum entre os pescadores. Evite movimentos bruscos, bem como brincadeiras que podem provocar quedas e acidentes.

* Dica 366 – Vá mudando a distância do anzol à bóia para tentar descobrir em que altura o peixe está pegando no dia. Essa dica é muito útil, principalmente para pesca da Carpa Cabeça Grande.

* Dica 365 – Quando estiver pescando embarcado, com um ou mais companheiros, usando iscas artificiais, preste muita atenção aos seus movimentos.

* Dica 364 – Evite abusar de bebidas alcoólicas quando estiver pescando. Por mais acostumado que esteja à bebida diminui os reflexos e aumenta a possibilidade de acidentes.

* Dica 363 – O melhor modelo de salva vidas é aquele que se passa pelo pescoço e tem encosto para a nuca. Isso por que em caso de acidente a pessoa sempre terá sua cabeça fora da água, mesmo no caso de desmaio.

* Dica 362 – Além do prazer da pesca, o peixe é um importante alimento, sua carne é rica em vitaminas e sais minerais. Devemos incluir esse alimento no nosso cardápio ao menos duas vezes por semana.

* Dica 361 – Na pesca de fundo pode ser utilizado o chumbo solto ou atado no fim da linha. Experimente essas duas alternativas e veja com qual delas terá melhor resultado.

* Dica 360 – Mantenha o carretel do seu molinete ou carretilha sempre cheio, conforme a recomendação do fabricante. Desse modo você não será surpreendido com pouca linha caso fisgar um peixe de bom porte.

* Dica 359 – A Anchova também possui um tamanho mínimo recomendável para embarque. Devolva a água os exemplares para que eles tenham chance de se reproduzir.

* Dica 358 – Mimetismo é a capacidade que alguns animais têm de mudar de cor assumindo padrões próximos ao do seu meio ambiente. Alguns peixes como a Garoupa e o Badejo, são capazes dessa proeza.

* Dica 357 – Para pesca de Pacus em pesqueiros é necessário a utilização do encastoado de aço. Essa espécie possui dentes fortes e cortantes, até aqueles que se alimentam de ração.

* Dica 356 – Sarnambis são pequenos mariscos muito comuns nas praias do nosso litoral e ótimas iscas para a pesca de praia. São facilmente encontrados na linha da água com a areia da praia, onde as ondas começam a recuar.

* Dica 355 – Alguns molinetes possuem o botão de regulagem da fricção na frente do carretel, enquanto outros têm sua regulagem na parte traseira. Essa diferença não tem influência nenhuma no seu desempenho.

* Dica 354 – Antes de fazer um arremesso, verifique ao seu redor para que nenhuma pessoa saia fisgada. Você pode atingir alguém com o chumbo ou isca artificial.

* Dica 353 – Os aposentados e pessoas com mais de 65 anos não precisam tirar licença de pesca, basta que levem consigo documentos que comprovem essa condição.

Dica 352- O verdadeiro pescador esportivo tem sempre em mente a preservação da natureza e suas espécies. Procure espalhar essa filosofia entre seus amigos e companheiros de pesca.

Dica 351- Ao pescar em rios, represas e lagos, procure árvores frutíferas à beira das margens. Com certeza naquele lugar devem existir peixes que se alimentam dos frutos que caem dessa árvore.

* Dica 350 – Quando for comprar materiais de pesca não tenha vergonha de pedir explicações ao vendedor, pois um material errado irá comprometer o resultado da sua pescaria.

* Dica 349 – A pesca de praia é uma modalidade com características, técnicas e equipamentos próprios. Procure se aperfeiçoar utilizando chicotes articulados com rotores e miçangas.

* Dica 348 – Com a chegada do calor a Prejereba é uma ótima opção para a pesca em mar aberto. Fique atento a objetos flutuantes, como pedaços de madeira, restos de cordas e bóias de sinalização. Esta espécie costuma ficar a espera de outros peixes menores.

* Dica 347 – Os parcéis são formações rochosas que afloram à superfície da água no mar. Esses locais são ótimos pesqueiros, principalmente de Anchovas. Quando encontrar esse tipo de formação, experimente alguns arremessos ou então corrique a sua volta.

* Dica 346 – Quando for embarcar uma Garoupa ou Badejo, tome cuidado para não colocar as mãos nos arcos branquiais do peixe, pois essas duas espécies possuem espinhos pontiagudos naquela região, capazes de provocar doloridos ferimentos.

* Dica 345 – A caixa de pesca é um ítem indispensável para quem quer se iniciar na pesca esportiva. Pode ser uma caixa pequena e simples, mas é necessária para armazenar e manter em ordem todos os acessórios, cada um no seu devido lugar.

* Dica 344 – Leve sempre com você uma toalha pequena ou um pano qualquer para limpar suas mãos após manusear a isca ou um peixe. Assim você não irá sujar seu equipamento, aumentando a qualidade e organização da sua pescaria.

* Dica 343 – O anzol é um dos principais materiais de pesca e talvez o mais barato, portanto, tenha sempre na sua caixa de pesca diversos tipos e modelos de anzóis e em quantidade suficiente para sua pescaria.

* Dica 342 – Quando se pesca com iscas artificiais na modalidade de arremessos não é preciso movimentos amplos do corpo e braços para dar impulso à isca. Os movimentos devem ser curtos e firmes, trabalhando-se basicamente com o pulso.

* Dica 341 – Nunca compre um equipamento de pesca só por que ele parece vistoso e bonito. Procure saber quais recursos dispõe resistência, garantia e assistência técnica do fabricante ou distribuidor.

* Dica 340 – Quando se pesca com bóia, não existe uma distância padrão entre ela e o anzol. A distância ideal deve ser encontrada durante a pescaria, aonde você vai mudando até descobrir em que altura o peixe está pegando.

* Dica 339 – Costume jogar comida em volta do lugar onde está o seu anzol. Desse modo mais peixes serão atraídos para a isca, aumentando as chances de captura.

* Dica 338 – O molinete e a carretilha não foram feitos para rebocar o peixe e sim para recolher e enrolar a linha. O peixe deve ser tirado da água com técnica e habilidade.

* Dica 337 – Uma boa opção no verão é a pesca de costão. Nessa modalidade poderão ser capturadas diversas espécies de Garoupas, Badejos, Caranhas, Sargos, Robalos, Xaréus e Enchovas.

* Dica 336 – Nunca deixe de levar qualquer equipamento de comunicação quando for pescar embarcado, principalmente no mar, no caso de uma emergência poderá ser muito útil.

* Dica 335 – Para uma criança que se inicia na pesca é muito importante que na sua primeira pescaria capture alguns peixes. Procure levá-la a um bom pesqueiro que você conheça, com certeza não vai faltar ação dos peixes.

* Dica 334 – Se houver muitas Piranhas, prefira trabalhar com iscas mais duras e resistentes como o Cascudo e o Caranguejo. As Piranhas não atacam essas iscas com tanta voracidade.

* Dica 333 – Quando estiver pescando de corrico e alguém do barco engatar um peixe, os outros devem imediatamente recolher as suas linhas para evitar que elas se cruzem, provocando a perda do exemplar fisgado.

* Dica 332 – Ao pescar de fundo, procure utilizar um chumbo de peso apenas o suficiente para levar a isca ao fundo. Um chumbo muito pesado pode causar danos as engrenagens de carretilhas e molinetes além de aumentar a probabilidade de enroscos.

* Dica 331 – Para a pesca de peixes maiores, convém que troquem as garatéias originais das iscas artificiais por outras mais resistentes. Nesse caso também se devem trocar as argolas onde as garatéias são fixadas.

* Dica 330 – O nosso litoral é muito rico em bons pontos de pesca. Ilha Bela, por exemplo, é um dos melhores lugares do Estado para pesca de Anchovas, Garoupas, Lulas, Dourados do Mar e Bicudas.

* Dica 329 – A melhor hora para se praticar a pesca de praia é quando a maré começa a encher, melhorando gradativamente até atingir o seu ponto máximo. Quando a água começa a subir, os peixes se aproximam mais da beirada da praia.

* Dica 328 – A pesca embarcada deve ser praticada por pessoas experientes no manejo de um barco. Sair sozinho também é muito arriscado, caso ocorra algum problema na embarcação ou com seu condutor, não haverá ninguém por perto para prestar socorro ou auxiliar em uma dificuldade.

* Dica 327 – A pesca da Tilápia com iscas artificiais tem muita esportividade. Utilize de preferência uma vara com carretilha e iscas leves, como o spinner ultra-light ou pequenos plugs de superfície e meia água.

* Dica 326 – Para pescar em alto mar, evite uma alimentação muito pesada ou gordurosa, além do excesso de bebida alcoólica. Seu fígado e estômago devem estar bem equilibrados para agüentar o balanço do barco.

* Dica 325 – É comum o pescador mudar de isca artificial e esquecer de fazer uma nova regulagem dos freios. Cada isca tem um peso diferente, o que torna necessário uma nova calibragem.

* Dica 324 – Quando da utilização de carretilha, a cabeleira ocorre porque ao arremessar a isca o carretel gira mais rapidamente que a velocidade de saída de linha. Para evitar que isso aconteça, mantenha seu equipamento balanceado com o peso da isca e a saída da linha.

* Dica 323 – Para capturar peixes predadores, usando iscas artificiais numa pesca parecida com a rodada. Deixe o barco descer ao junto à correnteza e vai-se arremessando a isca nas estruturas apropriadas que vão aparecendo pelo caminho.

* Dica 322 – Após capturar um exemplar de bom porte, verifique o estado da linha de pesca. Caso se apresentar ralada, com marcas ou qualquer outro sinal de desgaste, deve ser substituída.

* Dica 321 – Assim como nos rios, existem determinados locais em pesqueiros onde o peixe costuma encostar com mais freqüência. Procure identificar quais são esses locais para obter melhores resultados.

* Dica 320 – Ao colocar a isca no anzol, procure não exagerar no tamanho e quantidade. Iscas muito grande ficam com algumas partes fora do anzol, tornando-se fáceis de serem roubadas pelos peixes.

* Dica 319 – Uma das melhores iscas para os peixes de fundo, como a Corvina, Betara e a Pescada é o Camarão. Prefira iscá-lo no anzol sem a casca, desse modo o cheiro se espalha mais rapidamente na água.

* Dica 318 – A primavera é a época em que a maioria dos peixes desova, seja de água doce ou salgada. Vamos efetuar a pesca esportiva, descartando os exemplares com ovas em seu interior.

* Dica 317 – Como a Tuvira tem um corpo muito liso e escorregadio é sempre difícil mantê-la firme nas mãos na hora de iscar no anzol. Uma boa sugestão é usar uma luva de pano para essa finalidade.

* Dica 316 – Quando estiver pescando de rodada, procure trabalhar com um chumbo de peso adequado à correnteza e profundidade do local. Um chumbo leve não chega ao fundo e muito pesado aumenta a possibilidade de enroscar.

* Dica 315 – Na pesca de praia os arremessos longos são fundamentais. Uma boa dica para melhorar o seu desempenho é utilizar linhas finas, pois com elas se conseguem arremessos mais distantes.

* Dica 314 – A Corvina de água doce é uma excelente opção para quem vai pescar no Rio Grande, divisa de São Paulo com Minas Gerais. Para captura de exemplares de maior porte, deve-se usar como isca a Tuvira.

* Dica 313 – Procure sempre conversar com outros pescadores, trocando idéias, dicas, conhecimentos e experiências de pesca. Essa é uma das melhores maneiras da pessoa se aprimorar na pesca esportiva.

* Dica 312 – Falando em marés, ela é chamada de preamar quando está enchendo, aumentando de altura e de baixa-mar, quando está vazante ou diminuindo.

* Dica 311 – A pesca do Robalo está diretamente relacionada com a maré. Prefira as marés de média amplitude, ou seja, aquelas que não apresentam uma grande variação entre a altura mínima e máxima.

* Dica 310 – Quem não está acostumado a pescar embarcado no mar ou sempre sente enjôo, pode tomar um comprimido eficaz contra esse mal, em busca de um melhor aproveitamento da pescaria. Lembre-se de consultar seu médico antes de tomar qualquer medicamento.

* Dica 309 – A Cachorra não é um peixe muito apreciado para consumo, devido a enorme quantidade de espinhos que possui, mas é uma boa opção de pesca, proporcionando belos saltos e excelente briga.

* Dica 308 – A pesca de costão costuma ser muito produtiva devido às várias espécies de peixe que se pode capturar. O pescador deve se preparar para fisgar qualquer espécie e tamanho de peixe. Utilize uma vara comprida e rígida, com molinete ou carretilha e linha a partir de 0,50 mm.

* Dica 307 – Para pesca da Traíra, procure locais de vegetação abundante, troncos caídos ou galhadas. Uma dica importante é tentar arremessar a isca o mais próximo que puder do provável local.

* Dica 306 – Quando estiver pescando embarcado, principalmente no mar, procure não deixar sua caixa de pesca com a tampa aberta. Qualquer balanço mais forte da embarcação poderá trazer complicações e atrapalhar sua pescaria.

* Dica 305 – A pesca de rodada, também chamada por alguns de “caceio”, é uma das mais produtivas modalidades de pesca, tanto em rios ou mares. Para sua prática, o piloteiro deve conhecer bons pontos de pesca.

* Dica 304 – Uma boa isca artificial para pesca da Truta é o Spinner. Os tamanhos 01 e 02 são os mais indicados e podem ser usados com carretilha ou molinete.

* Dica 303 – Na hora de comprar sardinhas para usar como isca ou mesmo para consumo, prefira as frescas, de carne firme e olhos brilhantes. Descarte as que apresentarem escamas soltas e barrigas estouradas.

* Dica 302 – Para pesca de peixes com boca mais dura, como o Dourado, convém que o pescador afie a ponta de todos os anzóis para facilitar a sua fisgada.

* Dica 301 – Para pesca do Olhete, mantenha um exemplar pescado amarrado junto ao barco. Como essa espécie vive em cardumes, sua companheira ficarão por perto proporcionando uma boa pescaria.

* Dica 300 – Os ferrões dos peixes de couro causam ferimentos muito dolorosos. Isso acontece por que esses peixes possuem glândulas com veneno associadas aos ferrões. Todo peixe embarcado, mesmo que morto, deve ter seus ferrões cortados.

* Dica 299 – Antes de embarcar um peixe de bom tamanho, procure deixá-lo bem cansado. Ocorre que a operação de embarque é um pouco arriscada e muito exemplar acabam escapando nesse momento. Um peixe cansado se debate menos facilitando o trabalho.

* Dica 298 – O colete salva vidas é um item obrigatório para quem gosta de pescar em costões rochosos. Além de aumentar a segurança do pescador, também vai proteger suas costas e costelas caso aconteça uma queda sobre as pedras.

* Dica 297 – Para pesca da Anchova no corrico, utilize plugs de meia água com encastoado de aço, o barco navegando em marcha lenta e a isca trabalhando a uma distância de 20 a 50 metros da embarcação.

* Dica 296 – Os corruptos são iscas ideais para a pesca de praia, mas não podem ser utilizados para consumo humano. Eles possuem um alto teor de chumbo, antimônio e cádmio, todos eles, metam muito perigosos para nossa saúde.

* Dica 295 – Quando compramos equipamentos importados, principalmente varas e iscas artificiais, esses materiais trazem impressos e medidas de peso, com as quais não estamos familiarizados. Anote os dados equivalentes em gramas para que você possa fazer a conversão.

* Dica 294 – Uma boa isca artificial para captura do Dourado é o plug de barbela para meia água, com aproximadamente 16 cm de comprimento. Arremesse a isca nos remansos que se formam antes e depois das corredeiras ou junto a qualquer estrutura no rio.

* Dica 293 – Há várias receitas de massas circulando no mercado, mas para esse peixe o importante é que a massa tenha duas características essenciais; pois a massa deve ser “esfarelenta”, se dissolvendo em contato com a água e também ser levemente adocicada.

* Dica 292 – Para quem gosta de pescar Carpas Cabeçudas, ao chegar no local, prepare 03 (três) varas com as bóias em alturas diferentes em relação ao chuveirinho. Desse modo, você descobrirá em que altura ela está pegando no dia.

* Dica 291 – Na pesca do Pintado, ao sentir que o peixe pegou a isca, espere até que ele puxe a linha por alguns metros ou até que sinta ele “pesar” na linha para então dar a fisgada. Se fisgar antes, as chances de perder o peixe são grandes.

* Dica 290 – Ao alugar uma embarcação, cuidado com o estado do barco e seus equipamentos, se há coletes salva vidas para todos, lotação autorizada, sistema de comunicação, navegação e ainda a higiene da embarcação.

* Dica 289 – Ao capturar um peixe que ele está gordo, com a barriga estufada, é sinal de que carrega ovas no seu ventre. Não pense duas vezes, solte-o imediatamente. É como se você devolve-se para a água milhares de alevinos. A mãe natureza agradece e os futuros pescadores também.

* Dica 288 – Não é recomendável dar fisgadas quando se pesca com iscas artificiais. Em muitas situações acabamos tirando a isca de sua boca. É melhor esperar que ele se fisgue sozinho e dar uma ou duas confirmadas após o domínio do peixe.

* Dica 287 – Ao manusear iscas naturais procure sempre ter as mãos livres de cheiros estranhos ao peixe. Produtos como bronzeadores, óleo de motor, gasolina, repelente de insetos e cigarros, podem impregnar na isca, reduzindo sua eficácia e prejudicando a pescaria.

* Dica 286 – O sabor da carne dos peixes está diretamente relacionado com o meio em que vive e os alimentos que consomem. Peixes que encontram seu alimento no fundo de rio e mares geralmente têm carne inferior aos que vivem circulando a meia água ou próximos à superfície, na sua maioria os peixes predadores.

* Dica 285 – A carne do Curimbatá tem sabor razoável, mas alguns exemplares podem ter um pouco de sabor de “barro“. Isso ocorre devido à presença de lodo no fundo dos locais onde o peixe se alimenta. Quando for usá-los para consumo próprio, prefira capturar essa espécie em locais com fundo de pedra assim sua carne terá melhor sabor.

* Dica 284 – Tão importante quanto o uso de técnicas e métodos adequados é utilizar um equipamento balanceado. Procure sempre trabalhar com um conjunto de vara, carretilha ou molinete, linha, anzol e chumbo compatíveis entre si.

* Dica 283 – A goiaba vermelha é uma ótima isca para a pesca do Pacu em pesqueiros. Prefira as goiabas que estão começando a amadurecer, pois as maduras são moles e se soltam facilmente do anzol.

* Dica 282 – Mesmo com motor elétrico, o bom e velho remo não deve ser esquecido. No caso de uma pane ou por esgotamento da bateria, ele vai ser a salvação da pescaria.

* Dica 281 – Existem várias espécies de Pampo, sendo a maior delas a Sernambiguara. Em nosso litoral, ainda podemos encontrar o Pampo Malhado e o Galhudo, podendo atingir até 2,5 kg.

* Dica 280 – A lua cheia e nova são as que provocam maior variação na amplitude das marés. Nesses dias, a movimentação da água é grande, remexendo o fundo do mar e aumentando a circulação de alimentos, o que torna mais favorável a prática da pesca.

* Dica 279 – Para captura da minhoca de praia, a maré deve estar no nível mais baixo, em geral inferior a 0,5 m. Utilize um pequeno saco de ráfia com pedaços de peixe, o qual deve ser passado na areia, esperando a minhoca colocar a cabeça para fora.

* Dica 278 – Muitos pesqueiros já aderiram ao “catch and release”, ou seja, o pesque e solte. Se você quiser praticar essa modalidade, amasse a farpa do anzol para não machucar o peixe.

* Dica 277 – Os pequenos caranguejos encontrados em pedras de costões, são iscas ideais para o Sargo e a Sernambiguara. Devem ser iscados vivos, com o anzol colocado na região dos olhos.

* Dica 276 – Na pesca da Garoupa, deixe a fricção do equipamento bem apertada, até quase atingir o ponto de rompimento da linha. Desse modo as chances do peixe entocar são menores.

* Dica 275 – Para a pesca de peixes de boca dura, como o Dourado e Pacu, além de usar anzóis bem afiados, procure também trabalhar com varas de ação rápida. Elas são mais duras e proporcionam uma fisgada firme.

* Dica 274 – Não são apenas os peixes abaixo do tamanho mínimo estabelecido que devam ser devolvidos na água. Se imaginarmos que os peixes de maior porte só atingiram esse tamanho por serem os mais fortes e espertos, descobriremos que o interessante é que eles continuem procriando e transmitindo essas qualidades aos seus descendentes.

* Dica 273 – Antes de marcar uma pescaria de praia, costão ou canal é importante consultar a tábua das marés. Com este auxílio você saberá qual o melhor dia e os melhores horários para pesca.

* Dica 272 – O mar é um excelente lugar para a prática da pesca esportiva, devido a grande variedade de espécies e modalidades de pesca que se pode praticar. Mas exige cuidado e respeito do pescador. Em dias de mau tempo ou de mar agitado não o desafie.

* Dica 271 – Quando capturar um peixe de espécie que você desconheça, tome cuidado ao manuseá-lo. Algumas espécies possuem ferrões, opérculos cortantes ou dentes afiadíssimos.

* Dica 270 – Na pesca embarcada, quando estiver pescando poitado, dê alguns toques de vara na isca e ao mesmo libere um pouco de linha, fazendo a isca se deslocar no fundo, mudando de lugar e chamando atenção do peixe.

* Dica 269 – Ao embarcar peixes de couro como o Pintado, Cachara, Mandis e Barbados, imediatamente cortem os ferrões das nadadeiras peitorais e dorsais, mesmo que o peixe esteja morto, pois ainda assim existe o risco de alguém se espetar.

* Dica 268 – A Corvina de água doce é um peixe originário da Bacia Amazônica, onde é conhecida como Pescada do Piau. Chamada de Corvina pela sua semelhança física com a Corvina do mar, podendo atingir até 4 kg de peso.

* Dica 267 – Espinhéis e anzóis de galho são práticas de pesca proibidas e nem um pouco esportivas. Para o pescador verdadeiro o que vale mesmo é a emoção da briga com o peixe, nunca use de deslealdade e apelação.

* Dica 266 – Acostume anotar numa agenda tudo sobre suas pescarias. As datas, locais, horários de mais ataque dos peixes, condições do tempo, pressão atmosférica e características do lugar. O cruzamento dessas informações será útil para melhor entender os motivos de sucesso ou fracasso das pescarias.

* Dica 265 – Quando usar camarão morto como isca, prefira utilizá-lo sem casca, pois desse modo o seu cheiro espalha-se mais rapidamente na água, atraindo facilmente os peixes.

* Dica 264 – Nunca esqueça o protetor solar e o repelente de insetos. Uma pescaria pode se tornar um incômodo com a falta destes produtos.

* Dica 263 – Não esqueça de trocar a linha sempre que for preciso. Com a seqüência de pescarias, naturalmente a linha vai ficando “viciada”, perdendo sua resistência original.

* Dica 262 – Quando for encher o carretel da carretilha ou molinete, não deixe que a linha venha transbordar do carretel. O ideal é que sobre uma borda, evitando possíveis problemas no momento do arremesso.

* Dica 261 – Durante a briga com o peixe, uma coisa que nunca se deve fazer é dar ponta de vara para ele, ou seja, deixar que a vara e a linha formem uma reta, pois nesse caso as chances da linha se partir são grandes.

* Dica 260 – Nunca segure pela linha na hora de tirar o peixe da água. A linha pode se quebrar com o peso do peixe ou então ele pode se agitar e o anzol sair de sua boca.

* Dica 259 – Quando estiver pescando com carretilha e for mudar de isca artificial, não se esqueça de fazer uma nova regulagem no freio de arremesso, evitando o risco de acontecer à indesejável cabeleira.

* Dica 258 – O chumbo tipo aranha para pesca de praia, só deve ser usado quando a correnteza estiver muito forte. Esse tipo de chumbo agarra bem no fundo, mas também exige muito esforço do equipamento, podendo danificá-lo.

* Dica 257 – As iscas de milho azedo são ótimas para a pesca da Piapara e do Curimbatá. Deixe uma espiga de molho por alguns dias e depois cozinhe um pouco, até perder parte do cheiro e que seus grãos fiquem moles.

* Dica 256 – Assim como nos rios e mares, os pesqueiros também exigem materiais, equipamentos e técnicas próprias. Prepare sua tralha de acordo com os peixes que espera capturar.

* Dica 255 – Para pesca do Dourado, prefira trabalhar com a Tuvira viva, pois essa é a isca natural mais indicada. Na sua falta pode tentar pequenos peixes, também vivos, como o Lambari.

* Dica 254 – Ao fisgar um peixe de bom tamanho não se afobe. Procure deixar o peixe fazer suas evoluções, pulos e acrobacias à vontade, até ele se cansar. Assim é mais fácil e seguro trazê-lo até você.

* Dica 253 – A Lula pode ser pescada o ano inteiro, mas como freqüentam regiões de águas frias, costumam encostar próximo ao continente nos meses de inverno. Em São Paulo o melhor lugar para sua captura é a região de Ilhabela.

* Dica 252 – Zangarelho ou Zangarina é uma isca artificial usada para captura de lulas. Trata-se de um pedaço de chumbo comprido com vários ganchos de metal na ponta, nos quais as Lulas se agarram.

* Dica 251 – Os piers, estruturas feitas para atracamento de diversos tipos de embarcações, são ótimos pesqueiros, principalmente para captura de Robalos. Use como iscas camarões vivos, caranguejos e pequenos peixes capturados no local.

* Dica 250 – As “Iscas brancas” como costumamos chamar os pequenos peixes usados para a finalidade de engodo para peixes maiores, como o Lambari e o Corimbatá. Os menores são iscados vivos ou inteiros e os maiores em filés ou pedaços.

* Dica 249 – A melhor forma de iscar a Tuvira viva é pelas costas. Nesse caso evite usar anzóis muito grandes já que eles podem matá-la mais facilmente.

* Dica 248 – Para pesca de Traíras prefira os locais de água parada com bastante vegetação e aguapés. Podem-se usar iscas naturais, de preferência vivas ou artificiais.

* Dica 247 – Quando se pesca com iscas artificiais convém que o pescador use um óculos para proteger as vistas de um eventual acidente. O ideal é usar óculos polarizados que permitam melhor visibilidade, reduzindo os reflexos dos raios do sol na água.

* Dica 246 – Um detalhe importante quando for comprar um samburá para acondicionar o peixe capturado é verificar o tamanho de sua boca. Prefira os de boca mais larga, pois estes permitem a passagem de peixes maiores e redondos.

* Dica 245 – Os anzóis são ítens muito importantes em qualquer pescaria. A escolha do modelo adequado e principalmente do tamanho certo pode fazer a diferença entre uma boa ou má pescaria. Em caso de dúvidas sobre o tamanho, faça a opção pelos anzóis menores, que servem tanto para peixes grandes como para pequenos.

* Dica 244 – Para Tilápias, Lambaris e Acarás, o bichinho da laranja é uma ótima isca. Para sua criação, use uma caixa de madeira ou mesmo de plástico forrada com farelo de trigo e uma laranja cortada ao meio. As moscas se encarregarão de por os ovos de onde surgirão as larvas.

* Dica 243 – O peixe salta e balança o seu corpo no ar numa tentativa de se livrar do anzol. Com seus movimentos rápidos na cabeça de um lado para o outro, pode acontecer do anzol se soltar da boca.

* Dica 242 – Não atire na água qualquer espécie de lixo ou mesmo sobras de linha. Isso polui o meio ambiente matando os peixes, além das linhas que se tornam grandes armadilhas as aves quando os rios baixam suas águas.

* Dica 241 – Para a pesca da Garoupa, os melhores horários são no amanhecer e no entardecer. Podemos citar também o reponto da maré, ou seja, quando ela muda e fica sem correnteza.

* Dica 240 – Na pesca de batida para captura do Pacu, o barulho que a isca faz quando atinge a superfície da água, deve ser exatamente ao de uma fruta caindo na água.

* Dica 239 – O Tarpon é um peixe que vive em locais de estuário e mangues. Habita regiões quentes do Oceano Atlântico, Índico e Pacifico, por isso é mais facilmente encontrado em nosso litoral nas regiões Norte e Nordeste.

* Dica 238 – Em rios de águas rápidas, prefira barcos com casco em “V”, pois são melhores para navegar. Já em rios de pouca correnteza, faça opção por barcos com fundo plano, pois dá maior estabilidade à embarcação. Aliás, esse tipo de barco é o mais indicado para pesca com iscas artificiais, já que pescador costuma ficar em pé para os arremessos.

* Dica 237 – Para pesca do Piau, que é um peixe de boca bem pequena, utilize anzóis pequenos por volta do número 12, iscados com milho azedo em grãos.

* Dica 236 – Na praia quando os peixes menores roubam a isca antes de dar tempo para os maiores se aproximarem, tente amarrar a isca com o elastricot, uma linha elástica encontrada nas lojas de pesca. A isca amarrada dificulta o trabalho dos pequenos, dando chances dos maiores chegarem até ela.

* Dica 235 – O peixe Espada possui dentes grandes e fortes, capazes de provocar sérios ferimentos. Antes de tentar tirar o anzol de sua boca, tenha certeza de que o peixe esteja bem imobilizado, segurando firmemente pelo pescoço. Convém que se utilize uma toalha ou outro pano qualquer, para essa operação.

* Dica 234 – Na pesca de praia é fundamental que o pescador faça bons arremessos, tanto em distância quanto em precisão. À distância para que se consiga alcançar os canais mais afastados e a precisão para que se coloque a isca bem no meio deles.

* Dica 233 – Nos canais os melhores locais para se tentar a captura do Robalo, são os poços mais profundos, pauleiras, árvores caídas, desembocadura de rios, pilares de pontes, junto a pedras ou qualquer outra estrutura.

* Dica 232 – Ao ferrar um exemplar de bom tamanho deve-se procurar manter a calma, trabalhando o peixe com paciência e sem afobação. Querer trazer o peixe à força, de qualquer jeito pode fazer com que a linha arrebente ou mesmo que o anzol rasgue a boca do peixe.

* Dica 231 – Sempre que pescar com iscas artificiais, use óculos de sol polarizado para proteger os olhos. A isca pode soltar da boca do peixe durante a briga e nesse caso, ela voltará na direção do pescador como se fosse uma bala, podendo atingir sua vista.

* Dica 230 – Quando se vai pescar no mar usando a sardinha como isca, uma boa providência é deixá-la imersa no sal ou no fubá, alguns dias antes. Isso conservará melhor a isca e a deixará desidratada, ficando com a carne mais firme e melhor de iscar.

* Dica 229 – Ao trabalhar com iscas artificiais procure fazer com que ela imite os movimentos de um pequeno peixe. Alterne a velocidade do recolhimento da isca, dê pequenos toques de vara e pare uns instantes de vez em quando.

* Dica 228 – Antes de guardar sua tralha até a próxima pescaria, verifique se tudo está bem seco. A umidade é o maior inimigo dos equipamentos de pesca causando a oxidação de molinetes, carretilhas, passadores de varas, anzóis, etc.

* Dica 227 – Após capturar um exemplar de grande porte, convém conferir o estado da linha, pois devido ao esforço, ela poderá apresentar partes raladas ou mordidas pelo próprio peixe.

* Dica 226 – Uma boa dica contra o enjôo no mar é colocar na boca um cravo da Índia. O gosto do cravo é tão forte que atenua aquele gostinho ruim que sentimos na boca quando o barco balança.

* Dica 225 – Não fique com pena de soltar um exemplar de grande porte. Pense que esse peixe só chegou a esse tamanho por ser muito forte e esperto, se ele continuar a se reproduzir transmitirá essas qualidades aos seus descendentes.

* Dica 224 – Praticar o pesque e solte é uma das melhores maneiras para o pescador esportivo dar sua contribuição pessoal para a preservação das espécies. Comece a soltar o peixe e garanta a sua pescaria de amanhã.

* Dica 223 – Para pesca embarcada em rios, lagos, represa e canais, os barcos de alumínio de 5 a 6 metros de comprimento são os mais indicados. Eles permitem acomodar dois ou três pescadores, além do piloteiro.

* Dica 222 – Quando estiver pescando em costões e quiser mudar para um lugar mais baixo, mais próximo da água, primeiro acompanhe por algum tempo a movimentação das ondas, para se certificar de que elas eventualmente não atingirão o local em questão.

* Dica 221 – Voltando ao assunto da lua. As marés explicam o comportamento dos peixes de água salgada, mas por que no rio os pescadores também acreditam que a lua cheia é a melhor lua? Uma das teorias mais aceita afirma que nessa fase a luminosidade é maior, e consequentemente, a atividade dos peixes predadores também.

* Dica 220 – Na realidade, a fase da lua tem pouca ou nenhuma influência sobre o comportamento dos peixes. Sua influência maior é sentida com relação as marés, e estas sim influenciam os comportamento dos peixes, que ficarão mais ativos quanto maior for a movimentação das marés.

* Dica 219 – Mesmo quando for pescar peixes de maior porte leve também um equipamento leve. Ele servirá para capturar pequenos peixinhos que poderão ser usados como isca viva para os peixes maiores.

* Dica 218 – O girador tem como função evitar que a linha se torça em razão do movimento da isca e/ou da chumbada, por isso sempre use esse equipamento em qualquer tipo de pesca, mesmo para peixes pequenos, como a tilápia e lambari.

* Dica 217 – Para capturar Anchovas com iscas artificiais na modalidade de arremesso, procure locais de pedras, onde as ondas ao bater nelas façam bastante espuma. O truque é arremessar a isca bem no meio da espuma logo após o choque das ondas.

* Dica 216 – Quando for comprar equipamentos de pesca, não se deixe impressionar por sua beleza. Informe-se com o vendedor sobre seus recursos, durabilidade, garantia de assistência técnica e praticidade de uso, pois são os aspectos que realmente interessam.

* Dica 215 – Os pesque pagues são uma excelente opção para quem quer iniciar na pesca esportiva, principalmente para mulheres e crianças. Dificilmente alguém saí de lá sem capturar ao menos um peixe, o que estimulará o iniciante a fazer outras pescarias.

* Dica 214 – Procure montar 03 (três) categorias de equipamentos de pesca: leve, médio e pesado. Com eles você estará em condições de capturar qualquer espécie de peixe.

* Dica 213 – No rio, os melhores horários para a pesca são: no período da manhã até as 11 horas e à tarde após às 15 horas. No intervalo entre esses horários aproveite para almoçar e descansar um pouco.

* Dica 212 – Antes de sair para pescar, procure se informar sobre as espécies que costumam ser fisgadas no local. Com base nessas informações, escolha qual o equipamento mais adequado para sua captura e quais as melhores iscas.

* Dica 211 – Quando for acampar só enterre no local do acampamento o lixo que for degradável. Latas, vidros e plásticos, devem ser colocados num saco e trazidos de volta para que tenham um destino adequado.

* Dica 210 – Até as minhocas são diferentes entre si. Para prática da pesca, prefira aquelas de cor avermelhada, carnudas e que se movimentem bastante.

* Dica 209 – Quando for pescar peixes de água doce, procure sempre cobrir muito bem o anzol com a isca, não deixando nenhuma parte dele aparecendo. Já na pesca de peixes de água salgada não é necessário esse tipo de cuidado.

* Dica 208 – O bom pescador deve observar as condições da água, do tempo, a temperatura ambiente, topografia do lugar, costumes e hábitos dos peixes. Enfim, tudo que possa influir na pescaria.

* Dica 207 – O Farnangaio é a melhor opção de isca para pesca dos peixes de bico como o Marlim e o Sailfish. Essa isca deve ser muito bem conservada, seu bico cortado e o anzol colocado pela sua boca saindo pela barriga, deve ser costurada depois para que o peixinho não se desmanche durante o corrico.

* Dica 206 – A escolha do material e equipamento de pesca, como varas, carretilhas e molinetes é uma questão muito pessoal. O pescador deve ver com qual deles se adapta melhor para assim poder explorar todo potencial do equipamento.

* Dica 205 – Quando você quiser pescar de rodada em um rio ou canal que não conheça, observe onde pescam os pescadores mais assíduos do lugar e faça como eles, já acostumado com o local e os macetes da região.

* Dica 204 – O tamanho do anzol, e também da isca, deve ser proporcional ao tamanho do peixe que se quer fisgar. Se você exagerar nesses tamanhos terá diminuídas suas chances de captura.

* Dica 203 – Cuide bem da sua tralha para que ela dure por muito tempo. Iscas artificiais, varas e molinetes devem ser lavados com água doce e sabão neutro após as pescarias e colocadas no sol para secar. Quando necessário lubrifique carretilhas e molinetes guardando-os em local seco e arejado.

* Dica 202 – Os melhores meses para a pesca do Pintado são aqueles entre julho e outubro. Como isca use a Tuvira, Lambari, Pirambóia, Jeju e peixes menores da região, de preferência vivos.

* Dica 201 – A pesca do Pacu pode ser tentada de diversas maneiras e com as iscas mais variadas, mas o importante é não esquecer de colocar um encastoado de aço para não perder a maioria dos peixes fisgados, isto para o Mato Grosso. Já em pesque pague não é tão necessária desde que você trabalhe com anzóis de haste longa.

* Dica 200 – O Black Bass é um peixe que praticamente só se fisga com iscas artificiais. A melhor delas é sem dúvida a minhoca de plástico, que deve ser trabalhada muito lentamente depois de arremessada.

* Dica 199 – Como o leito do rio ou canal é irregular, convém que vez ou outra você repita a operação descrita acima para se certificar do correto posicionamento da isca.

* Dica 198 – Na pesca de rodada para pesca do Robalo, desça a isca suavemente sem arremessá-la. Quando sentir que o chumbo tocou o chão, recolha cerca de duas voltas em seu molinete para que a mesma fique na altura ideal.

* Dica 197 – Ao se aproximar de um pesqueiro em rios, lagos ou represas, sempre venha com o motor do barco desligado para não espantar os peixes. Utilize o motor elétrico ou um simples remo para a aproximação, evitando assim barulho desnecessário.

* Dica 196 – Os arremessos são muito importantes na pesca de praia e os molinetes são melhores que as carretilhas, nesse caso em especial, prefiram os molinetes de carretel mais largo, pois a linha sai com mais facilidade, permitindo que se alcance maiores distâncias.

* Dica 195 – Toda vez que passar com seu barco perto de outros pescadores que estejam poitados, diminua sua marcha para não provocar marolas. É muito desagradável para quem está parado, pescando tranqüilamente, de repente ter o seu barco chacoalhado de um lado para outro só porque alguém tem pressa.

* Dica 194 – O silêncio é muito importante, principalmente na pesca de peixes de água doce. Portanto sempre tome muito cuidado para não fazer barulhos estranhos ao ambiente.

* Dica 193 – Quando for pescar embarcado no mar, evite ficar de cabeça baixa, com os olhos voltados para o fundo do barco, seja no momento de iscar a isca ou de manusear o equipamento. Essa posição provoca o enjôo mais facilmente.

* Dica 192 – Os encastoados feitos de arame, são os mais indicados quando se pesca com iscas moles, como a sardinha. Eles penetram com facilidade a isca sem danificá-las, deixando-as bem presas ao anzol.

* Dica 191 – Se a Garoupa “entocar”, não adianta tentar tirá-la à força que ela não desentoca. Nessas horas mantenha a calma e tente o seguinte: Deixe a linha bem esticada, com a ponta da vara curvada para fazer uma boa pressão sobre o peixe. Uma hora ela acaba se cansando e você poderá tirá-la da toca.

* Dica 190 – Um peixe muito comum na maioria de nossos rios, riachos, lagos e represas é Traíra. Essa espécie é muito valente e brigadora, uma ótima opção para iscas artificiais. Quando estiver pescando em algum desses lugares, não deixe de tentar sua captura.

* Dica 189 – Prefira trabalhar com equipamentos leves e linha mais fina possível. Desse modo a briga com o peixe traz mais emoção para o pescador. Um exemplar de médio porte capturado com equipamento desse tipo pode render uma boa briga tornando a disputa entre peixe e pescador mais equilibrada.

* Dica 188 – Para conservar melhor os seus anzóis, evitando a umidade e a ferrugem, coloque um pouco de maisena no recipiente onde costuma guardá-los. Algumas pessoas usam talco, mas a maisena é melhor porque não deixa cheiro.

* Dica 187 – Para se conseguir bons arremessos com iscas artificiais é preciso um pouco de treino. Uma boa idéia é utilizar uma lata grande ou uma bacia de roupas como alvo para o treino, que pode ser praticado até no quintal de sua casa. Com o tempo, vá diminuindo o tamanho do alvo, até ficar um verdadeiro craque em arremessos.

* Dica 186 – Um dos maiores segredos na pesca com iscas artificiais é a precisão nos arremessos. Você deve procurar colocar a isca no lugar onde a probabilidade de encontrar o peixe é maior, para em seguida, com movimentos de ponta de vara e recolhimento de linha, atiçá-lo para o ataque.

* Dica 185 – Sempre que for pescar de barranco, na beira de um lago ou rio, evite assumir uma posição na qual sua sombra se projete na água. O peixe é muito sensível a qualquer variação na intensidade de luz e sua sombra será o suficiente para espantá-lo.

* Dica 184 – Sempre que for pescar em locais com fundo de pedras, onde haja muitas galhadas e estruturas que possam causar atrito na linha, utilize um líder de linha mais grossa. Assim a linha mais grossa é que sofrerá todo atrito, resistindo melhor que a fina.

* Dica 183 – Uma fricção bem regulada é essencial em qualquer pescaria. O ideal é regulá-la usando um dinamômetro, mas se não dispuser de um, use sua sensibilidade e bom senso. Deixe a fricção solta e vá puxando a linha apertando o freio com a outra mão até sentir que o esforço aplicado não comprometa a resistência da linha.

* Dica 182 – Os “corixos” são pequenos rios que correm para o rio principal. A sua desembocadura, onde deságua o rio maior, são excelentes pesqueiros, não deixe de explorá-los em qualquer pescaria.

* Dica 181 – Uma boa dica quanto à segurança para quem gosta de pescar em costões é transportar todo o material de pesca em mochilas de lona. Utilizando-as, o pescador fica com as mãos e braços livres e pelo fato delas serem levadas às costas, também favorece o equilíbrio.

* Dica 180 – Deve-se tomar muito cuidado quando se vai pescar em costões rochosos, tanto na hora de caminhar sobre as pedras como quando se está sobre elas. O pescador deve sempre ter uma de suas mãos livres para se agarrar a alguma estrutura caso escorregue.

* Dica 179 – Tenha por hábito levar para casa apenas o peixe necessário para o seu consumo, desde que, esteja dentro das medidas mínimas estabelecidas. Fazendo isso você estará dando a sua contribuição para garantir a pescaria do amanhã.

* Dica 178 – Ao escolher o anzol que vai utilizar, faça opção pelo de menor tamanho possível, dependendo é claro da espécie que vai capturar. Isso porque anzol pequeno pega peixe grande, mas anzol grande, não pega peixe pequeno.

* Dica 177 – Quando estiver pescando num rio que tenha Piranhas, tome cuidado para não pegar na linha com as mãos sujas pela isca. O cheiro da isca fica impregnado na linha e será o suficiente para a Piranha mordê-la, o que fatalmente ocasionará o seu rompimento.

* Dica 176 – Quando se pesca com linha de fundo, é bom dar pequenos toques na linha, fazendo com que a linha movimente, atraindo a atenção do peixe. Repare como alguns piloteiros têm o hábito de fazer isso quando o peixe demora a beliscar.

* Dica 175 – Sempre que for pescar, leve um saco plástico para colocar todo tipo de lixo, como restos de linha, latas de bebidas, papéis, etc. Fazendo isso você estará ajudando a preservar o meio ambiente e ao mesmo tempo mostrando os outros pescadores mais desleixados, como se comporta um verdadeiro amante da natureza.

* Dica 174 – Ao completar o carretel do molinete e/ou da carretilha, tome cuidado para não deixá-lo muito cheio, pois o excesso de linha pode atrapalhar. O ideal é que se encha esses carretéis até cerca de 0,5 mm da borda.

* Dica 173 – Uma boa vara para pesca de praia deve ter por volta de três metros e meio de comprimento. O uso de varas compridas favorece ao arremesso, deixando o pescador em condições de colocar a isca em longas distâncias.

* Dica 172 – No momento da briga com o peixe, há 02 (duas) coisas que o pescador deve fazer: para manter a calma e a linha esticada, evitando perder sua presa. Uma coisa que nunca se deve fazer é dar ponta de vara para o peixe, isto é, deixar que a vara forme uma reta paralela a linha, pois nesse caso a chance da linha se partir é bem grande.

* Dica 171 – Quando for fazer uma pescaria de alguns dias, com um grupo grande de amigos usando os serviços de 03 (três) ou mais piloteiros, aqui vai uma boa dica para deixá-los muito “interessados” na produtividade da pesca. Institua um prêmio para o piloteiro/barco que pegar mais peixes. Pode ser um conjunto de vara e molinetes novos, um relógio ou outra coisa qualquer. O resultado será compensador.

* Dica 170 – Quando for pescar de corrico com iscas artificiais de meia água e o peixe não estiver entrando, experimente colocar um chumbo tipo tubo solto na linha. Às vezes os peixes estão mais no fundo e o chumbo fará a isca chegar até eles.

* Dica 169 – Só conseguimos uma perfeita regulagem da fricção da carretilha ou do molinete usando-se um aparelho chamado dinamômetro, uma espécie de balança vendida nas lojas de pesca. A regulagem ideal é conseguida quando a fricção começa a soltar a linha assim que a força aplicada atingir ¼ da sua resistência.

* Dica 168 – As cevas podem ser feitas com vários “ingredientes”, mas os principais são o milho e a mandioca, no caso de peixes de água doce. Farelo de arroz, pedaços de coração e sangue de boi misturado com farinha de mandioca são também bons complementos.

* Dica 167 – Para a pesca de determinadas espécies, como o Piau e Piauçu, uma boa ceva é essencial. Faça com alguns dias de antecedência para dar tempo do peixe ser atraído por ela e se acostumar com o local.

* Dica 166 – Para trabalhar com iscas artificiais, utilize linhas finas e sem memória. As linhas finas dão mais precisão nos arremessos e facilitam a movimentação da isca, além disso, são bem mais esportivas.

* Dica 165 – Quando o peixe começa a tomar linha durante a briga não tente impedi-lo. Deixe que ele se canse para depois iniciar o recolhimento com muita calma.

* Dica 164 – Quando a pescaria está fraca, o negócio é ir fazendo mudanças para buscar novas alternativas. Trocar de iscas, variar a profundidade em que se deixa o anzol, mudar de sistemas e métodos de pesca.

* Dica 163 – A pesca de rodada é uma das melhores opções de pesca nos rios. Os melhores locais para sua prática são: diante da foz de um pequeno rio, nas bocas de corixos, entradas de lagos e canais.

* Dica 162 – Nos pesqueiros, faça opção por trabalhar com varas longas, quando não for usar molinete ou carretilha, de no mínimo três metros de comprimento. Isso por que elas podem levar a isca para mais longe da margem, além de proporcionar mais flexibilidade e aumentar “a área de trabalho” durante a briga com o peixe.

* Dica 161 – Uma boa isca para pesca da Tilápia do Nilo é a tripa de galinha. Para prepará-la cozinhe a tripa, corte em pedaços pequenos e passe pelo fubá de milho. Lambari, Acará e Bagres, também pegam bem nessa isca.

* Dica 160 – Os peixes predadores são os que maiores emoções trazem para o pescador esportivo, devido a sua voracidade, força e valentia. Para capturá-los as melhores iscas são as artificiais de meia água, ou então, as iscas naturais vivas.

* Dica 159 – As iscas artificiais de barbela para meia água, são as mais indicadas para a captura do Dourado. Faça arremessos nos remansos, que se formam antes e depois das corredeiras ou em locais próximos a pedras e galhadas.

* Dica 158 – Em canais, um sistema que costuma trazer bons resultados é a pesca com bóias. Faça pernadas com cerca de um metro de comprimento, encastoado de aço e garatéias. À noite, prefira trabalhar com bóias luminosas.

* Dica 157 – Para a pesca da Carpa Cabeçuda, use massas a base de batata doce, iscada no chuveirinho. Coloque a massa, na mola do chuveirinho e vá colocando os anzóis em forma de círculo na lateral.

* Dica 156 – É sempre bom lembrar ao pescador, que respeite o tamanho mínimo, para embarque dos peixes. A medição é feita da ponta da cabeça, até a ponta da cauda do animal.

* Dica 155 – Para o pescador, o GPS oferece um recurso fantástico: a possibilidade de memorizar no aparelho, a localização exata de um bom pesqueiro em mar, como um parcel, laje submersa ou um fundo de cascalho. Depois de registrada a posição na memória, basta que na próxima pescaria, ela seja acionada para levar o barco até o ponto exato.

* Dica 154 – O GPS (Global Position System) é um aparelho eletrônico, que indica a posição geográfica de uma embarcação através de uma rede de satélites. Sua margem de erro é de apenas, 50 (cinqüenta) metros, sendo extremamente útil para a navegação.

* Dica 153 – Na pesca de barranco uma ceva, costuma trazer ótimos resultados. Escolha um local do rio onde não haja corredeiras para colocar a ceva, desse modo a força das águas não a carregará para longe.

* Dica 152 – Na pesca de rodada, procure trabalhar com um chumbo de peso, apenas suficiente para levar a isca até o fundo. Isso por que um chumbo pesado é mais fácil de enroscar no fundo.

* Dica 151 – Um dos grandes trunfos de todo bom pescador é conhecer os hábitos do peixe que espera capturar. Conhecendo os seus hábitos, ele sabe os locais onde o peixe costuma ficar e quais as iscas mais indicadas para capturá-lo.

* Dica 150 – Para fazer iscas de milho azedo, deixe as espigas alguns dias de molho em água até azedarem. Depois cozinhe um pouco para perder parte do cheiro e amolecer os grãos. O milho estará pronto para ser iscado.

* Dica 149 – O Vermelho Cioba é um peixe marinho de fundos rochosos e que proporciona uma boa briga. Tente sua pesca com material médio, linha 0,40 mm e anzóis de 2/0 a 4/0. A melhor isca para sua captura é o camarão vivo.

* Dica 148 – Para tirar um bom exemplar da água, nunca segure diretamente na linha. Você pode perder o peixe enquanto ele se debate ou então que a linha venha a se partir devido ao seu peso. Utilize um alicate ou “puçá” para essa operação.

* Dica 147 – O comprimento de vara ideal para pesca de praia é de 3,5 metros em diante. Prefira as varas desmontáveis, normalmente compostas de 03 (três) seções, pois são mais fáceis de armazenar e transportar.

* Dica 146 – Na pesca de arremesso com iscas artificiais, prefira trabalhar com varas bem leves. Isso por que durante a pescaria, são realizados inúmeros arremessos e um conjunto leve cansa menos o braço.

* Dica 145 – Há uma particularidade interessante sobre o Tucunaré e que seria ótimo se estivesse presente em outras espécies. É o fato de que esse peixe dificilmente cai em redes, pois costuma nadar para trás quando encontra um obstáculo ou simplesmente salta por cima dele.

* Dica 144 – Na pesca de praia, costão e canais não é necessariamente importante começar a pescar logo cedo. O horário ideal para a pescaria, vai depender da movimentação da maré, sendo assim, consulte a tábua de marés, para estar no horário certo.

* Dica 143 – A melhor maneira de imobilizar o peixe espada para retirar o anzol é segurando firmemente pelo “pescoço”. Isso pode ser feito com as mãos nuas ou com o auxílio de um pano. Só tente retirar o anzol quando tiver certeza de que o peixe está imobilizado.

* Dica 142 – Quando for pescar embarcado, principalmente no mar, e tiver alguma dúvida quanto às condições do tempo ou da água, não embarque! Coloque a sua segurança sempre em primeiro lugar.

* Dica 141 – Ao trabalhar com iscas artificiais, prefira utilizar uma linha fina, pois favorece o arremesso e a movimentação da isca. Hoje se pode encontrar linhas super resistentes e com a metade da espessura das linhas tradicionais.

* Dica 140 – Nas carretilhas, a regulagem do freio de arremesso é feita em função do peso da isca. Sempre que trocar de isca não se esqueça de fazer uma nova regulagem no freio, evitando assim, as desagradáveis cabeleiras.

* Dica 139 – O chumbo mais indicado para pesca de praia é o tipo pirâmide. Só utilize o chumbo modelo aranha, dotado de garras, quando a correnteza do local for muito forte, pois apesar de segurar bem na areia ele oferece muita resistência na hora de recolher a linha, exigindo demais do equipamento.

* Dica 138 – Mesmo em pesque e pagues, algumas espécies podem ser capturadas com iscas artificiais, como a Tilápia, Traíra, Matrinxã e Trutas. Utilize plugs de meia água e pequenos spinners para essa finalidade.

* Dica 137 – Quando for pescar de barranco, lembre-se que o silêncio é precioso. O peixe é muito sensível ao barulho e vibrações. Sons de passos, de galhos sendo quebrados, de uma caixa de pesca lançados a terra, são facilmente percebidos.

* Dica 136 – Iscas artificiais muito leves não são indicadas para serem trabalhadas com carretilhas, pois não se conseguem bons arremessos com elas. Prefira o molinete ou o spincast nesse caso.

* Dica 135 – Amassar a farpa do anzol é um procedimento recomendado não apenas para quem deseja praticar o pesque e solte. Um anzol sem farpa entra e sai com mais facilidade da boca do peixe e em casos de acidente não provoca tanta dor e estrago no local do ferimento.

* Dica 134 – Somente capture peixes acima das medidas mínimas estabelecidas e apenas em quantidade suficiente para seu consumo. São atitudes simples como essa que irão garantir nossas futuras pescarias.

* Dica 133 – A Cachorra é uma espécie que está distribuída por toda a Bacia Amazônica e do Prata. É um peixe bastante esportivo, tanto pela formidável briga que proporciona como pelo bom porte que alcança, chegando a atingir 18 (dezoito) kg e 1 (um) metro de comprimento.

* Dica 132 – Com a chegada de uma frente fria a pressão atmosférica costuma cair, porém fique de olho, pois logo que ela se afasta a pressão torna a subir, favorecendo a pesca.

* Dica 131 – Em todos os tipos de pesca de água salgada, praia, canal, costão ou mesmo alto mar, é recomendável que a água esteja mexendo um pouco. Com a movimentação da água há também maior movimentação de alimentos e consequentemente, maior atividade dos peixes.

* Dica 130 – Quando for pescar em praias e costões, procure estacionar o seu carro fora da faixa de praia. Já ouve casos em que a maré subiu alcançando os veículos estacionados na areia.

* Dica 129 – As chuvas prejudicam as pescarias em rios, canais e represas, pois tornam a água mais suja e barrenta. Uma boa opção nesses dias é tentar a captura de bagres e mandis, peixes que gostam da água nessas condições.

* Dica 128 – Ao pescar embarcado, evite usar sapatos de amarrar ou botas. Em caso de acidente e você cair na água, será mais difícil nadar ou tirá-los dos pés.

* Dica 127 – Um dos maiores macetes da pesca de praia, consiste num arremesso bem sucedido. Aproveite os horários em que a praia é menos freqüentada para treinar lançamentos, tanto em distância quanto em precisão.

* Dica 126 – Quando pescamos de rodada, com a isca arrastando no fundo, é comum que ocorram enroscos. A melhor maneira de soltar a linha é voltar com o barco, passar por cima do ponto onde o anzol enroscou e seguir na direção contrária da rodada. Normalmente o anzol acaba se soltando.

* Dica 125 – A Corvina de água doce ou Pescada do Piau, é um peixe originário da Bacia Amazônica. Essa espécie foi utilizada para o peixamento de algumas represas e se tornou uma boa opção para pesca. O melhor lugar para capturá-la é no Rio Grande, na região da barragem de Porto Colômbia, a cerca de 500 km de São Paulo.

* Dica 124 – O sucesso dos pesque pagues é tão grande que muitos já estão considerando como uma nova modalidade de pesca esportiva. Realmente com o surgimento desses pesqueiros foram desenvolvidos métodos, técnicas e iscas específicas para esse tipo de pescaria.

* Dica 123 – Quando o seu companheiro capturar um bom peixe, não perca tempo! Deixe de lado o que estiver fazendo, recolha a sua linha e fique de prontidão para ajudá-lo no que for preciso.

* Dica 122 – A Lula é uma boa isca para a captura das diversas espécies de peixe de água salgada, mas possui uma particularidade que deve ser observada pelo pescador. Ocorre que ela perde o seu cheiro característico depois de algum tempo dentro da água. Sendo assim, vez ou outra, troque as iscas do anzol.

* Dica 121 – Em algumas modalidades de pesca precisamos usar um líder de linha mais grossa. O melhor nó para unir as duas linhas é o Albright, por ser o mais resistente. Caso não saiba fazer este nó, ou um outro, utilize um girador entre as duas linhas.

* Dica 120 – As baratinhas do mar são rápidas e por isso difíceis de serem capturadas. Uma boa idéia para capturá-las é utilizar um pano molhado, aproximando-se delas lentamente e jogando o pano por cima, assim elas ficarão imobilizadas.

* Dica 119 – Camada Termoclimal é uma faixa de água com temperatura agradável ao peixe, com média de 20ºC. Dependendo das condições do clima esta camada de água pode ficar próxima à superfície (dias quentes) ou mais no fundo (dias frios), o segredo é descobrir em que altura o peixe esta pegando a isca.

* Dica 118 – Quando se tenta a pesca do Cação em mar aberto, uma ceva feita de sardinhas maceradas, jogadas à água em intervalos de tempo regular, costuma trazer bons resultados. Essa espécie é capaz de sentir o cheiro do alimento a uma distância de até 400 metros.

* Dica 117 – O jig é uma isca artificial com cabeça de chumbo e anzol guarnecido com os mais diversos materiais, tais como, penas, pêlos, e fios de plástico. Podem ser utilizados para a captura do Tucunaré, Robalo, Black Bass, Anchovas, Xaréus e Badejos.

* Dica 116 – Para captura o Amborê, uma excelente isca para todos os peixes que freqüentam costões rochosos, utilize uma varinha light e anzol tipo mosquito iscado com pedacinhos de camarão.

* Dica 115 – O Sargo, tanto de dente como o de beiço, são uma ótima opção para pesca de costão. Como iscas utilizem o marisco, saquaritá, caranguejo, baratinha do mar ou mesmo o Amborê, um peixinho bastante comum em locais de pedras.

* Dica 114 – Um bom alicate de bico é uma ferramenta que não pode faltar na caixa de pesca. Com ele pode-se cortar a linha, retirar o anzol da boca do peixe com dentes cortantes sem correr riscos de acidente, trocar uma garatéia de isca artificial, amassar um chumbo e muitas outras funções.

* Dica 113 – Para a pesca de peixes manhosos e ariscos, como a Piapara e o Corimbatá, é muito importante que se trabalhe com uma vara de ponta bem flexível, sensível ao menor toque do peixe. Assim, logo na primeira triscada, o pescador ficará alerta esperando o momento certo da fisgada.

* Dica 112 – Quando se pesca apoitado, no sistema de fundo, convém que se dê alguns toques de vara, ao mesmo tempo em que se libera um mínimo de linha, para que o chumbo mude de lugar e a isca se movimente pelo leito do rio. Desse modo são maiores as chances da isca ser vista pelo peixe.

* Dica 111 – Uma boa opção para pesca em alto mar neste verão é o Dourado. O sistema mais eficiente para sua captura é o “corrico”, utilizando-se como iscas, os plugs de barbela longa, com destaque especial para as Rapalas.

* Dica 110 – Uma pescaria bem sucedida tem início no momento em que você decide quando e onde praticá-la. Os preparativos, tais como uma pesquisa sobre o lugar, suas espécies, hábitos, comportamentos, iscas preferidas e escolha da tralha adequada, aumentarão consideravelmente suas chances de sucesso.

* Dica 109 – A melhor maneira de iscar a Tuvira viva é introduzir a ponta do anzol por dentro de sua boca, fazendo com que ele saia pela guelra, e finalmente, espetando nas costas dela, no lombo, que é a parte mais carnuda.

* Dica 108 – A Tuvira é uma das melhores iscas vivas para as mais variadas espécies de peixes de água doce, como os valentes Dourados e Pintados. Utilize as maiores iscas para os peixes grandes e as menores para os pequenos, sempre iscando viva.

* Dica 107 – Uma boa caixa de pesca é aquela que sempre está com seu conteúdo pronto para ser usado. Isso se aplica também para as varas, molinetes, carretilhas e demais apetrechos de pesca. Por isso, após a pescaria, dedique uma atenção especial à conservação e manutenção dos seus equipamentos.

* Dica 106 – Ao pescar com o chumbo solto na linha, utilize um girador para que o chumbo pare antes de chegar ao anzol. O ideal é que a distância entre o girador e anzol fique em torno de 50 cm.

* Dica 105 – A pesca quando praticada de maneira irresponsável, visando apenas capturar a maior quantidade de peixes possível, independente do tamanho, deixa de ser um esporte e se torna uma atividade predatória e sem sentido.

* Dica 104 – Os anzóis são, dentre todos os materiais, os mais utilizados e também os mais baratos. Por isso não há razão para se usar anzóis enferrujados, tortos, sujos ou com qualquer outro. Deixe de ser pão duro.

* Dica 103 – O barco deve ser ancorado sempre pela proa, a parte da frente, e nunca pela popa, pois se for ancorado pela parte de trás, receberá todas as ondas e marolas de chapa, desestabilizando a embarcação.

* Dica 102 – A cor da isca artificial pode influir no resultado da pesca. É recomendável ter 02 (duas) ou 03 (três) iscas iguais, mas de cores diferentes, para alterná-las, até descobrir qual fisga mais peixes no dia em que for pescar.

* Dica 101 – A primavera é a época de reprodução do Black Bass, por isso recomendo aos aficionados dessa espécie que evitem a sua pesca neste período. É a melhor maneira de se garantir as pescarias futuras.

* Dica 100 – Na pesca com iscas artificiais não é aconselhável usar chumbo para se conseguir melhores arremessos. O chumbo vai atrapalhar o trabalho de movimentação da isca, diminuindo suas chances de captura.

* Dica 99 – O silêncio é muito importante quando se está tentado capturar peixes de água doce, seja no barranco ou embarcado. Já na pesca de peixes de água salgada, em praias, costões ou alto mar, o silêncio não é tão fundamental.

* Dica 98 – O uso de um alicate para segurar o peixe é indispensável para quem costuma capturar peixes de dentes cortantes como a Traíra, Enchova, Espada e outros mais. Uma mordida desses peixes pode causar graves ferimentos e estragar uma pescaria.

* Dica 97 – A Tilápia, tanto a rendalli como a nilótica, pode ser capturada com iscas artificiais. As que melhores resultados apresentam são os pequenos spinners, 1/16 ou 1/32 oz (onça) de peso, também utilizados na pesca da Truta e da Matrinchã. Recomendo a utilização de equipamentos leves (ultra light) é emoção garantida. Sugiro molinete e vara tipo Tiny 20.

* Dica 96 – A pesca de praia, costão e alto mar é mais proveitosa durante a enchente da maré. Já a de rios e canais costeiros, deve ser feita no momento da vazante.

* Dica 95 – Estamos entrando numa época favorável à pesca de várias espécies marinhas, dentre elas a Bicuda. Sua pesca pode ser feita no sistema de corrico, com linha de 0,35 mm a 0,40 mm e iscas soltas de 30 a 40 m de distância do barco. Pode-se usar lulas artificiais, plugs de meia água ou colheres de metal. Outra opção seria apoitada com isca natural como a sardinha, fazendo à pesca a meia água, sem o uso do chumbo.

* Dica 94 – Pescar Lambaris com equipamento ultra light, ou com uma simples varinha de bambu, pode ser uma opção muito divertida. Utilize uma ceva de quirera de milho, massas e como iscas o macarrãozinho, larvas, insetos ou a minhoca. Além da diversão, esse peixinho pode ser usado como isca viva para peixes maiores.

* Dica 93 – A pesca de rodada é uma das muitas formas de pesca embarcada e costuma trazer bons resultados. Prefira praticá-la perto do encontro das águas de um rio menor, na boca de corixos, em entradas de lagos ou na calha (canal) do rio.

* Dica 92 – Mais importante que aprender novos métodos e técnicas, é colocá-los em prática. De nada adianta você se transformar numa “enciclopédia sobre pesca” e não praticar. O verdadeiro conhecimento se adquire com o tempo em muitas pescarias.

* Dica 91 – Ao comprar material de pesca, principalmente os mais caros, peça sempre certificado de qualidade se for o caso, explicações e orientações ao vendedor. As boas lojas possuem funcionários qualificados para esclarecer todas as suas dúvidas e ajudá-lo na melhor escolha.

* Dica 90 – Se você está pensando em praticar o “pesque e solte”, a primeira providência que deve tomar é amassar a farpa do anzol. Desse modo não se machuca muito o peixe na hora de tirar o anzol da sua boca, dando maiores chances de sobrevivência.

* Dica 89 – A linha de pesca é um material muito importante em qualquer pescaria. Só compre linhas de qualidade e de marcas conhecidas no mercado. Evite linhas duras, pouco maleáveis ou com aspecto seco.

* Dica 88 – As iscas artificiais são indicadas apenas para a pesca de peixes predadores como o Robalo, Tucunaré, Dourado, entre outros. Não tente capturar peixes herbívoros com esse tipo de isca, pois suas chances serão praticamente nulas. Nesses casos só as iscas naturais funcionam.

* Dica 87 – Passe o maior tempo possível com a visão focalizada em pontos distantes, como praias, encostas, pedras ou mesmo a linha do horizonte. Desse modo têm-se a impressão que o balanço do barco é menor.

* Dica 86 – Um dos maiores problemas da pesca embarcada em mar aberto é o enjôo. Para minimizar esse problema procure levar tudo pronto, como chicotes, encastoados e linhadas. Assim você evitará ter que fazê-los enquanto o barco balança.

* Dica 85 – O uso de bóias em pesqueiros é uma boa opção para captura de diversas espécies. O macete nesse tipo de pescaria é ir ajustando a distância da isca à bóia até descobrir em que altura o peixe está pegando.

* Dica 84 – Quando for comprar materiais, equipamentos e acessórios de pesca, sempre que possível, prefira produtos que flutuem na água. As razões para isso são bastante óbvias.

* Dica 83 – Procure usar chumbo no peso certo, ou seja, apenas o necessário para levar a linha ao fundo e mantê-la parada. Um chumbo muito pesado diminui a sensibilidade e força o equipamento na hora de recolher a linha.

* Dica 82 – Quando for pescar leve apenas o peixe suficiente para o seu consumo. O prazer da pesca reside na emoção da captura do peixe e não na quantidade de peixes estocados no congelador.

* Dica 81 – Em certas situações, a cor da linha pode influênciar no resultado da pescaria. Na pesca de fundo, poitado ou de barranco, caso esteja usando linha colorida, faça um chicote ou líder com uma linha que seja transparente para se tornar menos visível ao peixe.

* Dica 80 – O corrupto e a minhoca de praia são capturados durante a maré baixa, quando esta atinge o nível de 0,5 m ou abaixo disso. Consulte a tábua da maré para identificar o horário certo de encontrá-los.

* Dica 79 – Na pesca do peixe Espada o encastoado é indispensável. Prefira aqueles feitos de arame, do tipo vendido nas lojas de pesca. Eles atravessam facilmente a sardinha, deixando-a bem presa no anzol ou garatéia.

* Dica 78 – No mar, lugares com fundo de pedras são ótimos pesqueiros para Garoupas e Badejos. Utilize equipamento pesado, linha grossa, carretilha ou molinete com fricção travada, para não dar chance do peixe entocar.

* Dica 77 – Antes de libertar o peixe, coloque-o na água e aguarde alguns instantes para que ele tenha tempo de recuperar suas forças. Se soltá-lo enquanto ainda estiver “meio bobo”, ele poderá ser atacado por outros peixes.

* Dica 76 – A quantidade ideal de linha que se deve ter num molinete é de 80 a 100 m e para a carretilha de 120 a 150 m. Abaixo desses limites mínimos, você corre o risco de perder um exemplar de bom porte por falta de linha.

* Dica 75 – Algumas carretilhas possuem além do freio de arremesso um outro freio chamado de magnético. O freio magnético serve para melhorar o desempenho do freio de arremesso e sua regulagem deve ser feita somente após termos regulado o de arremesso.

* Dica 74 – Na pesca de praia e de costão, dê preferência para as iscas naturais do local, cuidando para que sejam frescas apanhadas na hora. O camarão e a sardinha são opções secundárias, pois proporcionam menos ações.

* Dica 73 – Antes de ir pescar num lugar novo, procure se informar sobre o local, o tipo de pescaria praticado, os peixes da região e as iscas mais usadas. Fazendo isso você terá maiores chances de sucesso.

* Dica 72 – A espécie Miraguaia pode atingir até 30 kg de peso. Os exemplares mais comuns capturados pelo pescador ficam na faixa dos 6 a 12 kg.

* Dica 71 – Quando estiver no rio atrás de Pacu, observe nas margens as árvores e os frutos delas. Esses frutos serão as melhores iscas para sua captura, pois estão acostumados com eles.

* Dica 70 – Volto a insistir. Não polua as águas de nossos rios e mares. Uma lata de alumínio, como as de cerveja ou de refrigerante, leva cerca de 600 anos para se decompor no mar.

* Dica 69 – Armal ou Abotoado é um peixe coberto de placas óssea, muito comum na região do pantanal. Os pescadores desprezam esse peixe, pois é muito difícil de limpar e pouco se aproveita da sua carne.

* Dica 68 – Acostume-se a consultar a Tábua das Marés quando for fazer uma pescaria de praia ou costão. Através dela o pescador ficará sabendo quais os melhores horários para a pesca. Já vi muitos pescadores passarem horas tentando pescar na vazante e desistirem, sem ter pego peixe algum, justamente quando a maré vai começar a subir.

* Dica 67 – Ao escolher o local para montar o acampamento de pesca procure um terreno plano, limpo, com árvores por perto para fornecer sombra e proteção e o mais próximo possível do rio.

* Dica 66 – Os cavaletes para pesca de praia são muito úteis e práticos, permitindo que se pesque até com certo conforto. Mas o pescador deve ficar bastante atento para não ser surpreendido pela subida da maré, pois ficará literalmente ilhado.

* Dica 65 – Se precisar tirar um exemplar da água com a ajuda de um bicheiro, passe a ponta dele pelo maxilar inferior do peixe. Desse modo não se machuca muito o peixe, podendo até soltá-lo se for o caso.

* Dica 64 – Nas pescarias, procure usar roupas de cores próximas às da natureza, como o verde e o cáqui. As roupas escuras além de esquentarem muito, são mais visíveis para o peixe.

* Dica 63 – Mantenha sua tralha sempre limpa e organizada. Caso apareça uma pescaria de última hora, você estará em condições de acompanhar o colega sem precisar pedir nada emprestado.

* Dica 62 – Para capturar a minhoca de praia, coloque dentro de um saco de ráfia algumas cabeças e restos de peixe. Passe o saco na areia, onde as ondas terminam e observe o momento que a minhoca põe a cabeça fora para então capturá-la com um laço de linha de pesca ou um aparelho próprio para essa finalidade, vendido em lojas de pesca.

* Dica 61 – O tucunaré macho na época do acasalamento, desenvolve uma protuberância na cabeça chamada por alguns de cupim. Depois do surgimento dos alevinos essa protuberância desaparece.

* Dica 60 – Não compre varas, molinetes e equipamentos de pesca de camelôs ou vendedores de rua. Esses produtos são de procedência duvidosa, baixíssima qualidade e sem garantia de assistência técnica.

* Dica 59 – Quando estiver pescando no mar, fique atento a objetos flutuantes como caixas de madeira, tábuas, cordas, algas, etc. Normalmente a Prejereba fica flutuando imóvel ao lado dessas estruturas a espera de alimento.

* Dica 58 – O peixe Espada normalmente é capturado com auxílio de bóias, mas às vezes o cardume pode estar um pouco mais no fundo. Experimente jogar uma linha sem bóia, só com o peso da isca, e tente à meia água. A pescaria pode ser mais produtiva.

* Dica 57 – As varas mais indicadas para pesca de praia são aquelas feitas de fibra de vidro e ocas, bem leves e comprimento de 03 metros, para assim se conseguir bons arremessos.

* Dica 56 – Quando for pescar peixes de boca muito dura, como o Dourado e o Pacu, prefiram utilizar varas de ação rápida, pois elas são mais rígidas, de pouca flexibilidade, o que favorece a ferrada.

* Dica 55 – Ao escolher um suporte de vara de pesca para praia, prefira os modelos dotados de uma pequena mesa e ganchos para pendurar sacolas. A mesa servirá para acomodar e preparar as iscas.

* Dica 54 – Não se deixe impressionar por materiais e equipamentos bonitos e vistosos nas lojas de pesca. O que interessa a você são equipamentos práticos, com bons recursos e também versáteis, que possam ser utilizados em modalidades de pesca diferentes.

* Dica 53 – A pesca de corrico no mar é mais produtiva quando feita ao redor de ilhas, parcéis e próximo à costões rochosos. Dependendo do local e da época pode-se capturar Enchovas, Olhos de Boi, Xaréus, Garoupas, Espadas e Sororocas.

* Dica 52 – Calma e habilidade. Essas são as duas condições básicas e essenciais para o pescador conseguir tirar da água um exemplar de maior porte. Calma para não se afobar, para não fazer um movimento errado, habilidade para controlar o peixe evitando que ele busque abrigo em estruturas como galhadas e pedras.

* Dica 51 – A lua não tem influência sobre as pescarias realizadas em rios e represas. Já na pesca de mar, canais e rios costeiros, sua influência é sentida apenas na movimentação da maré, a qual determinará os melhores dias e horários.

* Dica 50 – Quem gosta de pescar Corvinas de água salgada, pode começar a preparar a tralha pois agora esse peixe começa a encostar mais nas praias e canais. Em praias procure arremessar a isca no terceiro canal para capturar bons exemplares.

* Dica 49 – Para se conseguir um bom resultado com uma ceva em rios e represas, esta deverá ser feita dois ou três dias antes da pescaria. É importante também não mexer nela no dia em que for pescar, para não espantar os peixes que foram atraídos por ela.

* Dica 48 – Quando estiver pescando embarcado, seja no rio ou no mar, não dê mergulhos da embarcação. Você foi para pescar e não para nadar. Muita gente já se deu mal por causa disso.

* Dica 47 – Mesmo que não seja você quem estiver pilotando o barco no rio, fique atento às pedras, troncos submersos, bancos de areia e todo tipo de objetos flutuantes que possam por em risco a embarcação. Ao avistar qualquer obstáculo avise imediatamente o piloteiro.

* Dica 46 – Procure conhecer e compreender a natureza durante as suas pescarias. Fazendo isso, o seu respeito e amor por ela crescerão, tornando-o uma pessoa ciente da sua parcela de responsabilidade para com ela.

* Dica 45 – Os Plugs são tipos de iscas artificiais, geralmente feitos de material plástico ou madeira. Tem o formato de um peixe e quando trabalhadas, procuram imitar os movimentos. Podem ser de superfície, meia água ou de fundo.

* Dica 44 – O vento é um fator que pode atrapalhar a pescaria. Quando estiver ventando com maior intensidade procure pescar em locais abrigados, protegidos por pedras, morros e matas.

* Dica 43 – Para poder pescar no mar, rios ou represas é necessário que o pescador amador esteja de posse da sua licença de pesca, categoria embarcada ou de barranco. As guias de recolhimento e instruções podem ser encontradas na maioria das lojas de pesca.

* Dica 42 – O Barbado é uma espécie de bagre que pode atingir mais de 10 Kg. de peso. Sua pesca é feita de fundo, preferencialmente no sistema de rodada. Utilize o minhocuçu, tuvira e filé de peixe como isca para sua captura.

* Dica 41 – A Miraguaia é o maior peixe da família das Corvinas e tem carne de ótimo sabor. Fazer uma ceva com mariscos esmagados é uma boa dica para se tentar a sua captura.

* Dica 40 – Cada peixe libertado pelo pescador viverá para se reproduzir e gerar outros iguais, e quem sabe até mesmo, para ser capturado por um outro companheiro, proporcionando as mesmas alegrias e emoções que deu a você. Vamos libertar o peixe, todos nós sairemos ganhando com isso.

* Dica 39 – A pesca de costão é uma boa opção durante o ano todo. Se você deseja praticar esse tipo de pesca com maior freqüência, providencie uma mochila de lona para acomodar a tralha, pois assim você poderá caminhar nas pedras com as mãos livres, aumentando a sua segurança pessoal.

* Dica 38 – Quando for fazer uma pescaria utilizando iscas naturais, não deixe de levar também algumas artificiais. Dependendo do dia, pode ser que o peixe esteja pegando melhor em iscas desse tipo.

* Dica 37 – A velocidade ideal para a prática do corrico no mar com iscas artificiais de meia água, fica aproximadamente em torno de 04 a 08 nós. Um “nó” equivale a uma milha marítima, ou seja, 1.853 m.

* Dica 36 – Quando for pescar em barrancos, costão, pesque pague, ou outro lugar qualquer, não se esqueça de recolher todo lixo em sacos plásticos ao final da pescaria. É o mínimo que se pode esperar de uma pessoa civilizada.

* Dica 35 – Hoje em dia, aliás, como sempre foi à sorte ou o azar tem muito pouco a ver com o resultado de uma pescaria. O segredo do sucesso é trabalhar com iscas, materiais e equipamentos, métodos e técnicas adequados, além de muita informação sobre o peixe que se quer capturar. Por isso procure aprender cada vez mais.

* Dica 34 – Todo peixe capturado para consumo deve ser imediatamente colocado no gelo para melhor conservação da sua carne. Há determinadas espécies de peixe que se deterioram com facilidade, como o Barbado e a Corvina do mar.

* Dica 33 – Curiosamente, quando o mar está parado, muito calmo, não se consegue realizar boas pescarias. O ideal é que ele esteja mexendo um pouco. Nessas condições os peixes ficam mais ativos.

* Dica 32 – Antes de encher o carretel do molinete ou carretilha, observe a marcação do fabricante quanto à capacidade de armazenamento de linha para a espessura que vai usar. Não é aconselhável utilizar esse equipamento com menos de 100 metros de linha no carretel.

* Dica 31 – Pescador, anzol de galho é proibido por lei. Não pratique esse tipo de pescaria. E convenhamos, qual é a graça, qual é a esportividade de se capturar um peixe utilizando esse método.

* Dica 30 – Mar encapelado é aquele que quando olhamos ao longe notamos pequenas ondas brancas na sua superfície, lembrando carneirinhos pastando. Nessas condições desista de sair com o barco.

* Dica 29 – Os encastoados feitos de fio de aço revestido com nylon, são melhores que os de arame, pois são mais finos, flexíveis e fáceis de serem confeccionados. Você encontrará o material necessário (fio e luvas) nas lojas de pesca.

* Dica 28 – Aquelas pequenas farpas que existem na haste de alguns modelos de anzóis, foram criadas para segurar melhor a isca. Utilize anzóis desse tipo quando for pescar com iscas moles, iscas que escorreguem do anzol, como o camarão.

* Dica 27 – Apesar do barco estar equipado com motor de popa e motor elétrico, o remo não deve ser dispensado, pois ainda assim poderá ser útil, como no caso de uma pane, por exemplo.

* Dica 26 – O Robalo é um peixe que muda de lugar constantemente, por isso, o pescador deve sair a sua procura. Se naquele ótimo pesqueiro da ultima pescaria não estiver dando peixe, tente outro lugar.

* Dica 25 – Procure manter na sua caixa de pesca chumbos de pesos e formatos diferentes para utilizá-los de acordo com o local e tipo de pescaria que estiver praticando. Os mais usados são os modelos arroz, oliva, gota, tubo, carambola e pirâmide.

* Dica 24 – Em pescarias onde as iscas e gasolina são fornecidas pela pousada e cobradas a parte, convém que uma só pessoa do grupo se encarregue da tarefa de acompanhar e conferir a quantidade utilizada. Isso vai evitar possíveis problemas ou dúvidas na hora de acertar a conta.

* Dica 23 – O Pintado e o Surubim são peixes manhosos na hora de morder a isca. Eles costumam pegar à isca na boca e ficar mamando a mesma por um algum tempo. Nessa hora não tenha pressa! Espere o peixe começar a correr para dar à ferrada (fisgada).

* Dica 22 – O principal problema da pesca com carretilha é a formação das indesejáveis “cabeleiras” na linha. Uma boa regulagem do freio de arremesso é essencial para reduzir a ocorrência desse problema, mas o fundamental mesmo, é que o pescador treine bastante com ela.

* Dica 21 – Quando despachar a tralha de pesca na forma de bagagem para viagens, seja no ônibus ou avião, procure colocar os equipamentos mais caros em malas ou caixas dotadas de fechadura ou cadeado. É mais seguro.

* Dica 20 – Parcéis são grandes pedras encontradas no mar, que ficam a flor d’água na maré baixa e cobertas por ela na maré alta. São ótimos pesqueiros para Anchovas, Garoupas, Pargos, Olho de Boi e muitos outros peixes.

* Dica 19 – Em pescarias prolongadas acostume-se a levar uma vara com carretilha ou molinete de reserva. Imagine o que pode acontecer com a sua pescaria se logo no início a vara se quebrar ou o molinete emperrar e não houver outro para substituição.

* Dica 18 – Consiga uma pequena caixa de isopor para acomodar as iscas naturais como à sardinha, filé de peixe, camarão, etc. Assim evita-se de misturar as iscas no isopor maior com bebidas e alimentos.

* Dica 17 – Os problemas com danificação ou quebra das varas de pesca normalmente acontecem quando do transporte das mesmas. Uma embalagem resistente para evitar esse tipo de transtorno pode ser feita pelo próprio pescador, usando-se tubos e tampas de PVC.

* Dica 16 – Não seja egoísta nem orgulhoso. Quando descobrir um truque ou macete que está dando resultado, ensine aos outros companheiros. O pescador evoluí trocando experiências e informações, além disso, a sua disputa é com o peixe e não com outros pescadores.

* Dica 15 – Na pesca de arremesso com carretilhas, dê preferência para varas de gatilho. O gatilho permite que a vara se acomode melhor na mão, favorecendo o arremesso e dando maior firmeza durante a briga com o peixe.

* Dica 14 – A maioria dos acidentes com peixes, ocorre no momento de retirar a isca de sua boca e quando o deixamos no chão do barco. Peixe com dentes cortantes, use um alicate de bico para tirar o anzol. Já os peixes com ferrões devem ter os mesmos, cortados com um alicate de corte, antes de depositá-los no barco.

* Dica 13 – Ainda sobre piloteiros, há alguns que são muito “folgados” e precisam levar uma bronca logo de início. Neste caso, deixe bem claro para ele que o comandante do barco é você. A função dele é pilotar o barco, ajudar e orientar o pescador.

* Dica 12 – O piloteiro ou pirangueiro, é um grande aliado do pescador, pois conhece muito bem o rio, suas espécies, melhores locais e iscas para capturá-los. Preste muita atenção nos seus conselhos e sugestões. Caso ele consiga lhe proporcionar uma boa pescaria, não esqueça de repassar um “prêmio” no final.

* Dica 11 – Quem está pensando em fazer uma pescaria no Pantanal, ainda este ano, é melhor começar a se mexer. A temporada termina no fim de outubro, quando começa a piracema. Depois, somente em fevereiro do próximo ano.

* Dica 10 – Se você quiser tentar a sorte com os robalos, aqui vai uma dica sobre alguns dos melhores pesqueiros do nosso litoral. Canal de Bertioga, Canal do Porto de Santos, Rio Casqueiro, Canal de Iguape e Cananéia.

* Dica 09 – Há pescadores que se dedicam exclusivamente à pesca do Robalo. Conhecem tudo sobre esse peixe e os melhores pesqueiros em rios e canais como a palma da mão. Não é para menos, pois o Robalo Flecha pode atingir até 15 Kg. e render uma sensacional briga.

* Dica 08 – Em caso de enjôo no mar, o melhor procedimento é fazer com que a pessoa deite de costas, no fundo do barco. Caso a crise seja muito forte, não bobeie! Volte à terra firme, para evitar maiores problemas, como uma possível desidratação.

* Dica 07 – Depois de uma pescaria em água salgada utilizando motor de popa, você deve deixá-lo funcionando por uns quinze minutos em um tanque com água doce para retirar o sal e a areia, Depois disso, dar uma boa lubrificação geral.

* Dica 06 – Um dia, numa pescaria no Perequê, perguntei ao barqueiro qual era a diferença entre o cação e o tubarão? Ele, espirituosamente me respondeu: “Cação é quando a gente come o peixe, e tubarão é quando o peixe come a gente.” – Foi a melhor definição que ouvi até hoje.